Diante da possibilidade de um longo processo de apuração eleitoral nos Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi aconselhado a não se manifestar sobre o resultado do pleito antes que seja confirmado o vencedor.

A orientação dada por assessores tem como alvo notícias veiculadas na imprensa americana sugerindo que Trump poderia declarar vitória na noite desta terça-feira (3) de forma antecipada, antes que vários estados tenham tabulados votos por correio.

Admirador de Trump, Bolsonaro já afirmou que torce pela reeleição do republicano.

Auxiliares palacianos disseram à reportagem, sob condição de anonimato, que o presidente foi advertido a manter sangue frio, uma vez que um endosso público diante de um resultado eleitoral ainda reversível poderia deixar o governo brasileiro em situação incômoda caso o democrata Joe Biden termine o processo como vencedor.

Foto: Alan Santos/PR

O receio de uma declaração de vitória antecipada de Trump foi alimentado por notícias na imprensa dos EUA e por falas do próprio mandatário.

Em uma declaração recente, Trump disse que os americanos deveriam “conhecer o resultado” das eleições na noite de 3 de novembro, “da forma como sempre ocorreu”.

Apesar da sua declaração, os resultados oficiais dos estados americanos não são divulgados na noite eleitoral.

O portal político Axios, por sua vez, afirmou que Trump pretendia se declarar vencedor antes de a apuração ser concluída caso os primeiros resultados o mostrassem à frente em alguns estados decisivos -o republicano pode se beneficiar de um comparecimento maior de republicanos no voto presencial, enquanto a votação por correio tende a favorecer democratas.

Trump negou que planeje se antecipar. Nesta terça, disse que pretende se declarar vencedor quando “houver vitória, se houver vitória”.
Apesar das negativas do atual presidente, a avaliação no Palácio do Planalto é que o momento requer cautela.

Conselheiros consideram que a eleição americana está polarizada e ameaçada de judicialização, portanto Bolsonaro precisa estar preparado caso a definição do vencedor se arraste para além do tempo normal.

Trump é um político que age por instinto -como seu colega brasileiro -e sua reação diante das primeiras projeções pode ser imprevisível, avaliam conselheiros palacianos.

Enquanto um endosso de Bolsonaro a uma eventual declaração antecipada de vitória de Trump não traria consequências caso a reeleição do republicano seja confirmada, o mesmo não é verdadeiro caso Biden se sagre vencedor no final.

Apesar dos conselhos, assessores presidenciais lembram que Bolsonaro é imprevisível e que em outras ocasiões já ignorou sugestões de seus auxiliares em política externa.