Jair Bolsonaro disse ter começado a fazer uso de hidroxicloroquina com azitromicina na segunda-feira, um dia antes de ser diagnosticado com o novo coronavírus, mesmo com o fato de as substâncias não serem recomendadas para tratar a Covid-19. Na terça, pouco depois de o presidente confirmar que foi infectado, a Organização Mundial da Saúde, mais uma vez, reforçou a ineficácia da cloroquina, cujos testes já foram encerrados pela entidade. O presidente está fazendo eletrocardiogramas diariamente para monitorar a frequência cardíaca e acompanhar possíveis efeitos colaterais da cloroquina.

(Foto: Facebook)

 

Bolsonaro, que postou ontem um vídeo tomando café e afirmando que está bem, deve fazer um novo exame de Covid-19 na próxima segunda-feira. Médicos que acompanham o estado de saúde do presidente indicam que o teste deve ser refeito após sete dias do primeiro resultado. Essa próxima checagem vai confirmar se ele continuará testando positivo e se precisará permanecer em isolamento no Palácio da Alvorada.

Para ler a matéria completa no Extra clique aqui.