Professor há mais de 40 anos, Renato Mocellin candidato à Prefeitura de Curitiba pelo Partido Verde (PV) acredita ter potencial para implantar projetos importantes na área da educação em Curitiba. Entre seus compromissos em seu Plano de Governo, está a escola em tempo integral e a construção de mais creches.

“Sobre educação eu posso falar de cadeira e acho que nós devemos ampliar até termos 100% de escolas integrais, claro, com apoio do Governo do Estado. Devemos buscar, principalmente nas regiões periféricas onde a criminalidade é mais elevada, tirar as crianças e jovens que estão à mercê dos traficantes e até mesmo da violência doméstica”, disse ele na manha desta sexta-feira (16) à Banda B, no segundo dia de entrevistas com os candidatos à Prefeitura de Curitiba nas eleições municipais.

Para ele, plano de carreira para os professores é outro ponto fundamental, assim como a construção de mais Centros Municipais Educação Infantil (CMEIs). “Hoje, em 45% dos lares brasileiros são sustentados por mulheres, se não tivemos creches como vamos solucionar isso? E essas mulheres tem duplas, triplas jornadas. Temos que construir creches para que elas possam deixar seus filhos. Temos que zerar isso e investir largamente em educação”, completou.

 

Professor Mocellin do PV e o apresentador Paulo Sérgio Debski. Foto: Banda B/Reprodução

 

Saúde

O candidato Mocellin lamentou o fechamento de algumas unidades básicas de saúde em Curitiba, “Infelizmente, tivemos fechamento de algumas unidades, mas eu acredito na medicina preventiva, ela é fundamental. Ao invés de fechar, temos de abrir mais, temos de ter profissionais em uma escala maior”, disse.

“Curitiba seria uma cidade maravilhosa, já tem muitos aspectos positivos, não serei maniqueísta em dizer que está tudo ruim, não. Inclusive, o atual prefeito atua muito bem em algumas áreas, não serei mesquinho em dizer que nada foi feito. Mas, quando nós detectamos o problema, temos de ser humildes em admirar para resolver”, completou.

Meio ambiente

Questão primordial para o partido de Mocellin, o meio ambiente é detalhado no Plano de Governo do professor por meio de projetos que englobam a limpeza dos rios. “Curitiba foi uma cidade que teve uma fama internacional em questões ambientais, então temos que retomar certas práticas dos anos 80 e 90 para novamente ficar em destaque. Em Curitiba, hoje, nossos rios, o Belém, o Barigui, o Ribeirão dos Padilha, o Atuba, estão poluídos. Não temos um rio sequer que não esteja nessas condições, córregos, parques, todos estão poluídos e nós acreditamos que podemos ter uma cidade sustentável e também economicamente ativa”, defende.

Para o candidato do PV, a crise hídrica que a região de Curitiba enfrenta deve gerar projetos para minimizar situações futuras. “Acredito que o prefeito de Curitiba tem que estar em conexão com os prefeitos da região metropolitana. Se isso não existir em forma de projetos que contemplem a região metropolitana, nós não vamos solucionar esse problema. Agora vai chover, esse problema será colocado de lado, daqui um ano, dois, acontece a mesma coisa. É preciso pensar em poços artesianos, cuidar nas nossas nascentes. Agir agora para que não tenhamos uma situação insustentável”, acredita. “Talvez o prefeito que investir em saneamento ou nessas questões não tenha visibilidade eleitoral porque infelizmente temos uma cultura política de que apenas as grandes obras dão impressão a população de que o prefeito está trabalhando”, lamentou o candidato do PV.

Política no Brasil

O professor aproveitou a entrevista para criticar um aspecto da política brasileira, que personifica os parlamentares. “Há muito personalismo, os partidos não são programáticos. O sujeito sai de um partido social democrata e vai para um neoliberal. Eu estou no PV porque ele tem os princípios que eu defendo, a agroecologia, o pacifismo, a cidadania feminina, a diversidade, então, estou em um partido programático”, explicou.

Para ele, a alternância do poder seria outro ponto importante para oxigenar a política. “Assim, mais pessoas participariam da política, mas infelizmente aqui no Brasil temos pessoas que estão na política desde os anos 70. Talvez seja utopia, mas eu acredito”, criticou.

Segurança

A favor de diálogo na resolução de embates e problematização de questões sociais, Mocellin vê que investimentos em áreas de trabalho e educação são diretamente ligados à segurança pública. “As causas da violência são múltiplas, como miséria, desemprego, e sem dúvidas o tráfico. Boa parte dos jovens assassinados em periferias é em decorrência do tráfico. Temos de agir em várias partes, como por exemplo, nossa polícia tem que estar cada vez melhor aparelhada, temos de ter formação, comunicação, mais intensa. Ampliar a Guarda Municipal com plano de carreira e melhores salários”, disse ele.

O professor Mocellin defende mais empregos e escolas em tempo integral onde o IDH (índice de desenvolvimento humano) é menor. “Repressão e ações propositivas para redução da criminalidade, já que o fim dela não existe. O crime está presente na história da humanidade desde os tempos antigos. O que temos de fazer é dar mais segurança para os mais podres. Porque quem tem o celular roubado indo para o trabalho às 5 horas da manhã no ponto de ônibus não são aqueles que têm as melhores condições de vida. Ou seja, é pobre roubando pobre. Temos de dar mais segurança para quem precisa”, completou.

 

Saiba aqui a ordem das próximas entrevistas.

Assista à entrevista do professor Renato Mocellin na íntegra:

 

Notícias relacionadas: