Citando Bruno Covas (PSDB), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não entende como como prefeitos de cidades que adotaram medidas restritivas de combate à Covid-19, com o fechamento de comércios, estão na frente de pesquisas de opinião.

“Vão votar nos mesmos caras, os mesmos prefeitos que fecharam as cidades. Vão votar nos mesmos caras. Não sei o que fazer, tem gente que gosta dessa opressão”, disse o presidente para um grupo de apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada.

As declarações foram transmitidas por um site bolsonarista.

Foto: Alan Santos/PR

“Os prefeitos que fecharam as cidades, tiraram emprego, por que esses caras estão na frente das pesquisas, meu Deus do céu? Parece que o cara eleitor gosta daquilo, daí reclama. Igual a São Paulo, o prefeito lá [Bruno Covas] soldou até porta de comércio e está em primeiro lugar nas pesquisas”.

Em seguida, o presidente disse, sem apresentar provas, que os números que aparecem nas pesquisas de opinião não são confiáveis, mas admitiu que Covas está na frente na corrida. “Pesquisas não são confiáveis. Mas ali deve estar não com 30%, 25% [das intenções de voto]. Mas tá na frente”.

Em busca da reeleição, Covas tem 28% das intenções de voto, segundo pesquisa mais recente do Datafolha.

Estão tecnicamente empatados Celso Russomanno (Republicamos, com 16%), Guilherme Boulos (PSOL, 14%) e Márcio França (PSB, 13%). A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95%.

A pesquisa foi feita em 3 e 4 de novembro, ouvindo 1.260 eleitores. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou menos.

Contratada pela Folha de S.Paulo e pela Rede Globo, ela está registrada no TRE-SP sob o número SP-06709/2020.

Russomanno é apoiado por Bolsonaro, mas as pesquisas têm identificado forte desidratação do candidato.