O presidente eleito Jair Bolsonaro, em texto publicado em sua conta no Twitter nesta manhã, “desautorizou” informações trazidas pela imprensa de que sua equipe estaria estudando a criação de impostos. “Desautorizo informações prestadas junto a mídia por qualquer grupo intitulado ‘equipe de Bolsonaro’ especulando sobre os mais variados assuntos, tais como CPMF, previdência, etc.”, afirmou Bolsonaro.

Jair Bolsonaro em entrevista coletiva nesta quinta – Reprodução redes

O jornal O Globo trouxe nesta sexta-feira matéria segundo a qual a equipe econômica do novo governo pretende criar um imposto sobre movimentações financeiras nos moldes da antiga CPMF. O objetivo é substituir a contribuição ao INSS que as empresas recolhem sobre os salários e, assim, fomentar a geração de empregos.

O tributo incidiria sobre todas as operações, como saques e transações bancárias, com uma alíquota de 0,4% a 0,45% em cada operação. A estimativa é que seria possível arrecadar ao menos R$ 275 bilhões por ano.

A ideia de tributar movimentações financeiras foi revelada pelo jornal “Folha de S. Paulo” ainda no primeiro turno das eleições e causou uma crise na campanha de Bolsonaro , devido à impopularidade da CPMF, o chamado “imposto sobre o cheque” . Na ocasião, o então candidato negou a criação de impostos.