Redação

No dia seguinte ao anúncio oficial de que a direção nacional do Partido Socialista Brasileiro – PSB – apoia a pré-candidatura do ex-prefeito Rafael Greca (PMN) à prefeitura de Curitiba, a bancada estadual do partido se rebelou e disse que não vai aceitar a aliança. Nesta quarta-feira (15), a bancada do PSB na Assembleia Legislativa do Paraná, integrada pelos deputados Alexandre Curi, Jonas Guimarães, Luiz Claudio Romanelli, Tiago Amaral, Stephanes Junior e Artagão Júnior da Secretaria de Justiça do Paraná, anunciou apoio à candidatura do deputado estadual Stephanes Junior como candidato do partido a prefeito de Curitiba. A decisão foi anunciada ao se confirmar a desistência da candidatura do es-prefeito e deputado federal Luciano Ducci (PSB), que disse que vai apoiar Greca.

Stephanes-JrStephanes Jr do PSB é pré-candidato à prefeitura de Curitiba – Foto: Divulgação

Tudo indica que Ducci abriu mão da candidatura ao perceber que não teria o apoio do grupo político do governador Beto Richa (PSDB). O problema é que muitos deputados que estão hoje no PSB eram do PMDB e não aceitaram apoiar Greca nem nas últimas eleições e muito menos agora.

A direção nacional do partido ainda não se posicionou sobre a decisão da bancada estadual de não seguir a orientação de apoiar o candidato do PMN. Nesta terça (14), a aliança foi formalizada com a condição do partido ocupar a vice de Greca nas eleições de outubro.

Ex-inimigos

A aliança entre Ducci e Greca surpreendeu àqueles que lembram das últimas eleições para a prefeitura de Curitiba em 2012. Naquele ano, Greca, que disputava a prefeitura pelo PMDB, fez duras críticas à gestão de Ducci, que tentava a reeleição.

Entre as críticas do então peemedebista estava o excesso de obras feitas simultaneamente pela gestão de Ducci, em período eleitoral, sem planejamento ou organização urbana. “Somos reféns da campanha eleitoral do atual prefeito (Luciano Ducci, PSB). Quando dezenas de obras em vias públicas são feitas ao mesmo tempo, as dificuldades no trânsito são inevitáveis”, afirmou Greca em 2012.

Ducci não conseguiu chegar ao segundo turno e atribuiu a derrota ao fato de ter sido alvo de ataques sofridos durante a campanha. “Lamento que os ataques contínuos às conquistas de Curitiba tenham afetado minha candidatura”, disse ele há quatro anos.

Na época, Greca chegou a comemorar a derrota de Ducci ao também lamentar sua própria ausência no segundo turno. “Esta sim, a boa notícia de um dia onde se cumpriu a vontade do povo. Ao aceitá-la com humildade, honramos a nossa história: Qual Davi, derrubamos o gigante Golias – da turma dos 40”, afirmou na época.