O ex-ministro da Justiça Sergio Moro diz estar pronto para apresentar ao STF, assim que for intimado, todas as provas para demonstrar que o presidente Jair Bolsonaro tentou aparelhar a Polícia Federal visando a ter controle político da corporação e ser informado sobre investigações sigilosas. A declaração foi dada em entrevista exclusiva à Vejapublicada na noite desta quinta-feira (30) no sítio eletrônico da revista.

Moro justificou a entrevista como forma de reagir à acusação de Bolsonaro de que mentiu nas afirmações que fez durante o pronunciamento de sexta-feira (24) quando anunciou sua demissão por discordar da exoneração, publicada no Diário Oficial daquele dia, à sua revelia, do delegado Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal.

Na entrevista, o ex-ministro afirma que o combate à corrupção nunca foi prioridade do governo Bolsonaro e enumera ocasiões em que tentou, sem conseguir, implementar medidas de endurecimento contra ação de organizações criminosas.

Texto via blog Contraponto, de Celso Nascimento.

Abaixo, leia os trechos iniciais da entrevista à Veja:

Sergio Moro afirma que apresentará ao STF provas contra Bolsonaro

Em entrevista exclusiva, o ex-ministro da Justiça diz que o governo nunca priorizou o combate à corrupção

Quando Sergio Moro decretou as primeiras prisões da Operação Lava-­Jato, em 2014, ninguém imaginava que começaria ali uma revolução de consequências históricas para a política, a economia e o combate à corrupção no Brasil. Em quatro anos, as investigações revelaram a existência de uma monumental estrutura que tinha como membros ativos as maiores empreiteiras do país, altos dirigentes de empresas estatais e políticos de todos os quilates — de deputados a presidentes da República. Todos se nutrindo da mesma fonte de um esquema que, durante anos, desviou mais de 40 bilhões de reais dos cofres públicos, dinheiro convertido em financiamento de campanhas eleitorais e propina. O caso fulminou biografias, quebrou empresas, arrasou partidos políticos e desmascarou muita gente que se dizia honesta. A histórica impunidade dos poderosos levou uma surpreendente rasteira — e abriu caminho para que um outsider chegasse à Presidência da República. Com a eleição de Jair Bolsonaro e a nomeação de Sergio Moro para o Ministério da Justiça, muitos apostaram que a corrupção sistêmica sofreria o golpe de misericórdia no país — uma tremenda ilusão, segundo o próprio Moro.

“O combate à corrupção não é prioridade do governo”, revela o agora ex-­ministro da Justiça, que foi descobrindo aos poucos que embarcara numa fria. Ele estava em casa na madrugada da sexta 24 quando soube que o diretor-geral da Polícia Federal fora demitido pelo presidente. Mas o episódio foi a gota d’água de uma relação tumultuada. Havia tempo o presidente não escondia a intenção de colocar no cargo alguém de sua estrita confiança. Bolsonaro frequentemente reclamava da falta de informações, em especial sobre inquéritos que tinham como investigados amigos, correligionários e parentes dele. Moro classificou a decisão do presidente de pôr um parceiro no comando da PF de uma manobra para finalmente ter acesso a dados sigilosos, deu a isso o nome de interferência política e, na sequência, pediu demissão. Bolsonaro, por sua vez, disse que a nomeação do diretor da PF é de sua competência e que as acusações de Moro não eram verdadeiras. O Supremo Tribunal Federal mandou abrir um inquérito para apurar suspeitas de crime.