A Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira (18) um homem de 36 anos suspeito de cometer ao menos oito crimes de estelionato em Curitiba. A prisão aconteceu no Centro, próximo ao Viaduto da João Negrão, no momento em que ele tentava cometer mais um golpe. As investigações surgiram após o registro de um boletim de ocorrência de uma das vítimas, que o teria conhecido em um aplicativo de paqueras online, o Tinder.

Reprodução

De acordo com a mulher, os dois começaram a trocar mensagens há cerca de um mês. À polícia, ela afirmou que o ‘namorado’ teria feito diversas promessas, alegando que queria um relacionamento sério com ela. Em uma das conversas, o suspeito teria dito que precisava do dinheiro do apartamento da vítima para comprar uma casa em Santa Catarina, onde os dois supostamente morariam juntos.

“Nosso primeiro contato foi pelo Tinder, aí trocamos nossos telefones e começamos a conversas sobre coisas normais. Depois, contei sobre uma dívida de condomínio e que precisava vender meu carro. Por falta de apoio da família, desesperada, doente e passando fome, eu aceitei e fui lesada”, contou à reportagem da Banda B. “Fui iludida a acreditar que ele tinha um bom negócio, que pegaria o valor da Tabela Fipe pelo automóvel”, acrescentou.

O delegado Rinaldo Ivaniki, responsável pela operação, afirma que outras sete pessoas foram enganadas. “Temos conhecimento de 15 veículos envolvidos nos crimes de estelionato. Ele simulava pagamentos de cheques, depósitos bancários, envolvendo as vitimas ao conseguir os veículos”, afirmou em entrevista.

Em um dos casos, ele teria se apossado de seis veículos de um corretor de imóveis, alegando referir-se a uma negociação que envolvia uma Amorok. Ou seja, a vítima acreditou estar trocando os seis carros pela caminhonete. Em posse dos bens, o suspeito sumiu sem fazer contato algum com o corretor.

Alguns dos veículos subtraídos pelo suspeito já foram localizados no Litoral do Estado e Região Metropolitana de Curitiba. Ivaniki reforça que, caso haja outras pessoas lesadas por ele, que entrem em contato com o 10º Distrito da Polícia Civil de Curitiba.

Confira o vídeo do momento da prisão: