A Secretaria de Estado da Segurança Pública vai construir três novas unidades de polícia judiciária, de acordo com edital de licitação publicado pela Paraná Edificações. Ao todo, serão investidos mais R$ 13,2 milhões para a Polícia Civil.

As unidades serão em Colombo e Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, e na Capital. Duas delas serão quatro vezes maior que as unidades atuais.

Serão construídas uma nova Delegacia do Alto Maracanã, em Colombo, e uma nova unidade para a Delegacia de Araucária, além de um novo prédio para sediar a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, em Curitiba. Todas as propostas concorrentes à licitação deverão ser entregues até julho deste ano, de acordo com o edital.

“Estamos trabalhando intensamente para atender melhor a população, oferecendo estruturas físicas com espaços diferenciados e específicos”, disse o secretário estadual da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares. Além disso, diz o secretário, uma nova unidade pode proporcionar ainda mais motivação aos profissionais de segurança pública.

As construções, que serão custeadas com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e terão o padrão II de delegacia (1.290,35 m²). Cada delegacia custará pouco mais de R$ 4 milhões e permitirá fornecer um melhor atendimento à população paranaense, separando pessoas em vulnerabilidade, como crianças, idosos e mulheres, do público geral.

Foto AEN

Substituições

A futura Delegacia do Alto Maracanã, em Colombo, ficará na Avenida Colombo s/nº, e substituirá a delegacia que funciona atualmente no mesmo bairro, mas em prédio alugado.

Já a Delegacia de Araucária funciona em sede própria, mas vai começar a funcionar em um novo prédio, que será construído na Rua Santa Catarina, 580. As novas unidades contarão com estrutura física quatro vezes maior do que as atuais.

De acordo com a Polícia Civil, um dos benefícios à população é a economia de cerca de R$ 9,9 mil mensais com aluguel para o funcionamento da atual delegacia do Alto Maracanã. O prédio é alugado desde 2014, quando o anterior foi demolido para ceder espaço ao terminal rodoviário.

Dentre as obras também está a construção da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, que atualmente funciona na Avenida Sete de Setembro, no Centro de Curitiba. A nova unidade será construída na Rua Paulo Turkiewicz, 145, no bairro Tarumã, próximo à atual unidade da Polícia Científica do Paraná.

Aumenta o número de prisões

As ações promovidas pelas polícias do Paraná fizeram o número de prisões aumentar 334% (de 157 para 682) no primeiro quadrimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, houve um aumento de 140% (27 para 65) no volume de operações no combate à criminalidade.

Os dados também apontam redução no índice de homicídios dolosos, que caiu 32% no Estado. Nos primeiros quatro meses deste ano foram 381 casos, contra 558 no mesmo período do ano anterior.

“Nossas forças de segurança estão mais presentes e têm agido de forma técnica e integrada para atender a população”, afirma o secretário, que lembra que neste ano o Governo do Estado já liberou o pagamento das promoções de 1.063 praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do Paraná.

As estatísticas demonstram que a efetividade no trabalho policial, como o aumento de policiais nas ruas e nas investigações de polícia judiciária, contribuíram para reduzir também outros índices.

O número de latrocínios (roubo seguido de morte) caiu 46% durante o quadrimestre, marcando uma das principais reduções do país, caindo de 35 casos em 2018 para 19 em 2019.

O índice de roubo também teve queda no período (19%), assim como o roubo de veículos, que caiu 31,4%. “Nossa atuação frente à Secretaria é combater o crime organizado e proporcionar mais segurança para toda a população paranaense, por meio de um trabalho integrado, inteligente e contínuo”, destaca o secretário.

Ele salienta também que o Estado iniciou um processo mais efetivo de construção de presídios para alocar detentos que estão dentro de delegacias. Nos próximos anos, mais de 6,3 mil vagas deverão ser abertas no sistema penitenciário do Estado, sendo 1,1 mil ainda neste ano.

Cidade da Polícia

O Governo do Estado planeja, ainda, unificar as áreas de planejamento, comando, controle e inteligências das forças de segurança estaduais em único lugar.

A previsão é investir R$ 140 milhões na implantação da Cidade da Polícia, que ocupará uma área de 35 mil metros quadrados no bairro Rebouças, em Curitiba, onde funcionava a antiga fábrica da Ambev.