Viradouro, Beija-Flor e Salgueiro se destacaram neste domingo (3), na abertura dos desfiles do Grupo Especial do carnaval do Rio de Janeiro. Império Serrano, Grande Rio, Imperatriz e Unidos da Tijuca também desfilaram na Sapucaí.

Os desfiles começaram com meia hora de atraso por conta das chuvas no Rio. Mas o tempo melhorou e deixou a criatividade brilhar. Várias coisas voaram durante a noite: emojis, bruxas, piratas, notas de dinheiro. De mentira, mas encantaram mesmo assim.

Entre as personalidades da noite, a histórica Pinah Ayoub foi homenageada no “desfile retrô” da Beija-Flor. Raíssa de Oliveira virou madrinha recordista com 17 carnavais. Teve também Claudia Raia de raposa, Jojo Todynho de galinha d’angola, Juliana Paes de ave rara e até Eri Johnson de surpresa.

Na segunda-feira (4) vão desfilar São Clemente, Vila Isabel, Portela, União da Ilha, Paraíso do Tuiuti, Mangueira e Mocidade Independente no segundo e último dia do Grupo Especial do Rio.

O desfile de carnaval do Rio de Janeiro começou, neste domingo, com a escola Império Serrano, pelo Grupo Especial. Por conta da chuva, a apresentação começou com 45 minutos de atraso.

Unidos da Tijuca

A Unidos da Tijuca encerrou a noite contando a história do pão como alimento físico e espiritual. A história da humanidade foi contada tendo o pão como fio condutor.

O carro abre-alas apresentou a imagem da última ceia e uma escultura de um pavão, mascote da escola. No desfile, o pão também foi tratado como parte importante de vários momentos conturbados da história, como a Revolução Francesa e a Revolução Russa.

Reprodução TV Globo

Imperatriz Leopoldinense

A Imperatriz Leopoldinense levou a história do dinheiro para a Marquês de Sapucaí. Jogou cerca 800 mil notas falsas de R$ 100 à plateia, coloriu a avenida de dourado, mas não foi agraciada pela sorte em seu desfile, o penúltimo do primeiro dia do grupo especial. Com pouco mais de dez minutos de apresentação, o carro abre-alas ‘A lenda do rei Midas’ parou ainda na concentração, comprometendo a harmonia.

Beija-Flor de Nilópolis

Atual campeã, a Beija-Flor foi a quinta escola a desfilar na primeira noite de desfiles no Rio, na madrugada desta segunda-feira, 4. A escola de Nilópolis (Baixada Fluminense) comemorou seus 70 anos revisitando seus principais enredos, mas não empolgou. Algumas referências foram óbvias, outras, de difícil compreensão.

Acadêmicos do Salgueiro

Quarta escola de samba a desfilar na primeira noite de exibições no sambódromo do Rio de Janeiro, o Salgueiro exaltou Xangô, divindade cultuada pelas religiões de matriz africana trazidas ao Brasil pelos escravos, como o candomblé. Foi o primeiro desfile da escola do Andaraí (zona norte do Rio) sob a atual direção – uma disputa judicial que se estendeu de maio a dezembro determinou a saída de Regina Celi e deu o comando do Salgueiro a André Vaz, candidato de oposição.

Grande Rio

A Grande Rio, de Duque de Caxias, foi a terceira escola a desfilar na primeira noite de exibições no Rio de Janeiro, já na madrugada desta segunda-feira, 4. A agremiação apresentou o enredo “Quem nunca…? que atire a primeira pedra”, em que faz uma crítica “às gafes, deslizes, viradas de mesa e ao famoso jeitinho brasileiro”, segundo o próprio roteiro do desfile anuncia.

Unidos do Viradouro

De volta à elite das escolas de samba do Rio após quatro anos na segunda divisão (da qual foi campeã em 2018), a Unidos do Viradouro foi a segunda escola a se apresentar no sambódromo do Rio neste domingo, 3, a primeira noite de desfiles na Sapucaí.

Império Serrano

Primeira escola a se apresentar neste domingo no sambódromo do Rio de Janeiro, abrindo a primeira noite de desfiles do Grupo Especial, o Império Serrano apresentou o enredo “O que é, o que é?”, sobre o sentido e os rumos da vida.

As apresentações começaram com 45 minutos de atraso em função da chuva, começando às 22h deste domingo, 3. Nessa hora não chovia sobre o sambódromo, mas o atraso foi decidido pelos organizadores do evento porque a chuva forte que atingiu outras regiões da cidade prejudicou o deslocamento dos foliões até a Marquês de Sapucaí.

Programação

Domingo, 3 de março

21h15 – Império Serrano. Enredo: “O que é, o que é?”

22h20 – Viradouro. Enredo: “Viraviradouro”

23h25 – Grande Rio. Enredo: “Quem nunca? Que atire a primeira pedra”

00h30 – Salgueiro. Enredo: “Xangô”

01h35 – Beija-flor. Enredo: “Quem não viu, vai ver as fábulas do beija-flor”

02h40 – Imperatriz Leopoldinense. Enredo: “Me dá um dinheiro aí”

03h45 – Unidos da Tijuca. Enredo: “Cada macaco no seu galho. Ó meu pai, me dê o pão que eu não morro de fome!”

Segunda, 4 de março

21h15 – São Clemente. Enredo: “E o samba, sambou”

22h20 – Vila Isabel. Enredo: “Em nome do pai, do filho e dos santos, a Vila canta a cidade de Pedro”

23h25 – Portela. Enredo: “Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar um sabiá”

00h30 – União da Ilha. Enredo: “A peleja poética entre Rachel e Alencar no avarandado do céu”

01h35 – Paraíso do Tuiuti. Enredo: “O salvador da Pátria”

02h40 – Mangueira. Enredo: “História para ninar gente grande”

03h45 – Mocidade. Enredo: “Eu sou o Tempo. Tempo é vida”