Vazou nas redes sociais na noite desta quarta-feira um suposto vídeo (confira abaixo) de um momento de briga entre Neymar e Najila Trindade Mendes de Souza, que o acusou de estupro. As imagens teriam sido gravadas em maio deste ano no quarto do hotel em que os dois se encontraram em Paris, na França.

É possível observar a mulher dando tapas em Neymar, que se defende pedindo calma, enquanto a mulher fala, gritando, que “eu vou te bater porque você me agrediu ontem e me deixou aqui sozinha”. À “Record TV”, o pai de Neymar já havia confirmado que tinha conhecimento sobre este vídeo, dizendo que o mesmo provaria que o filho é quem foi agredido.

Reprodução

Danilo Garcia de Andrade, advogado da modelo Najila,  disse que sua cliente vai apresentar um vídeo de sete minutos à polícia. Mas isso não deverá acontecer nesta sexta (7), quando ela deverá depor na 6ª delegacia de defesa da mulher em São Paulo.

“Provavelmente vamos entregar na semana que vem. O vídeo tem sete minutos, mas só consegui ver um minuto até agora. Não tive tempo de analisar todo o vídeo”, disse ele.

Nesta quinta (5), Najila disse que Neymar a agrediu com tapas e a forçou ao ato sexual mesmo depois de ela dizer para parar. As declarações foram em entrevista ao SBT. Najila também disse que não desejava o sexo naquele momento porque nenhum dos dois tinha preservativo.

Segundo o advogado, o vídeo foi gravado no segundo dia em que ele estava na França, após o suposto crime cometido pelo jogador da seleção brasileira.

“Ela queria provar através do vídeo que tinha sofrido agressões, que houve relacionamento sexual sem preservativo e não consensual”, completou.

Questionado para o motivo da demora para que registrasse o Boletim de Ocorrência, Andrade disse que sua cliente teria sofrido ameaças de pessoas ligadas a Neymar. O estupro teria acontecido em 15 de maio. A denúncia na delegacia foi feita 16 dias depois.

Danilo Garcia de Andrade afirma que Najila perdeu muito peso, “chora compulsivamente e vive a base de remédios.”
O caso veio a público no último sábado (1º) e, mais tarde neste mesmo dia, o jogador se pronunciou por meio de um vídeo publicado em seu Instagram. Na postagem, posteriormente retirada do ar pela rede social, o camisa 10 da seleção brasileira se defende da acusação e expõe as conversas com a suposta vítima, exibindo também imagens da mulher nua e seminua -com o rosto e partes íntimas borradas.

A Polícia Civil foi até a Granja Comary no domingo (2) buscar explicações do atleta por ter, no vídeo, exposto imagens íntimas da mulher. O jogador ainda não havia voltado de um período de folga, concedido a todo o elenco, e não foi ouvido pelos policiais. Na entrevista coletiva no centro de treinamento da seleção, Neymar foi defendido pelos colegas.

O jogador havia sido intimado a depor na próxima sexta-feira (7), mas a polícia aceitou pedido para que o depoimento fosse adiado. Uma nova data deve ser proposta ainda nesta quarta pela defesa de Neymar, conforme a disponibilidade de sua agenda, já que o atleta está integrado ao elenco da seleção brasileira para a disputa de amistosos e da Copa América.

Em entrevista à Band, o pai do jogador disse preferir que seu filho tenha cometido um crime de internet a um crime de estupro.

Na entrevista coletiva, o técnico Tite se disse incapaz de julgar seu comandado.

A acusação gera tensão também entre os patrocinadores de Neymar. A Nike, por exemplo, já demonstrou preocupação, assim como a Mastercard. Ele também estampa, por exemplo, a capa do videogame Fifa, ocupando o lugar que antes era de Cristiano Ronaldo, retirado pela produtora do jogo após o português ser acusado de ter estuprado uma mulher em Las Vegas.

Em entrevista ao canal SBT, o vice-presidente da CBF, Francisco Noveletto, chegou a dizer que, se fosse o atleta, pediria dispensa da seleção para cuidar de sua defesa. Depois, explicou que foi apenas uma opinião infundada e que ele não falou em nome da CBF.

Assista ao vídeo: