Em publicação no Twitter, o presidente da Fundação Cultural Palmares (FCP), Sérgio Camargo, afirmou que o homem negro assassinado em uma unidade do Carrefour de Porto Alegre (RS), João Alberto Silveira Freitas, “não representa os pretos honrados”. No comentário feito nesta quarta-feira (25/11), Camargo chama a vítima de “marginal”.

 

Reprodução Facebook

 

O titular da FCP citou o caso ocorrido na capital gaúcha ao comentar uma reportagem a respeito de suposta censura ao filme biográfico sobre Carlos Marighella, interpretado por Seu Jorge. Na postagem, o presidente da Fundação Palmares chama Marighella de “terrorista comunista”.

“Marginais não representam os pretos honrados do Brasil, seja Marighella, Madame Satã ou o negro do Carrefour. Cada um gasta seu dinheiro como quiser. O meu nunca terão!”, disparou.

O “negro do Carrefour” que Camargo se refere é João Alberto Silveira Freitas, 40 anos. Ele foi brutalmente espancado por seguranças de uma unidade do supermercado em Porto Alegre. Três pessoas foram presas acusadas de participar do homicídio.

Para ler a matéria completa no Portal Metrópoles, parceiro da Banda B, clique aqui.