O número de casos de Covid-19 chegou a 47.711 no estado de São Paulo, com 3.949 mortes, segundo anunciou o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira (12). O cenário projetado pelo governo estadual aponta que até o final de maio SP deve ter 100 mil infectados.

No dia anterior, foi divulgada a morte da quarta criança em decorrência da doença –ela tinha quatro anos de idade e residia em Francisco Morato (Grande São Paulo).

No estado de São Paulo, a taxa de ocupação de leitos de UTIs está em 69,1%. Na Grande São Paulo, o índice chegou a 85,7%. A queda de 3,9 pontos percentuais em relação a esta segunda-feira, quando estava em 89,6%, se deve à entrada de cerca de 100 novos leitos no sistema.

Estão internados em leitos de UTI 3.720 pacientes; outros 5.815 ocupam enfermarias.

O conselho municipalista, do qual fazem parte 16 prefeitos das cidades-sede das regiões administrativas, além de secretários estaduais, fez a primeira reunião nesta segunda-feira.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social, Marco Vinholi, o encontro discutiu os planos regionais que os municípios produzirão para o retorno gradual das atividades econômicas, assim que houver um sinal verde da Saúde, através do Centro de Contingência do Coronavírus.

Com o avanço da doença e a queda nas taxas de isolamento social do interior e da Grande São Paulo –47,8% e 49%, respectivamente–, o relaxamento das medidas de distanciamento fica cada vez mais distante da realidade dos paulistas.

Além da gravidade da situação na capital paulista e região metropolitana, o interior do estado preocupa as autoridades. O número de casos cresceu 99% no interior ao longo dos últimos 11 dias, de acordo com dados apresentados por Vinholi nesta terça-feira.

 

 

Na última semana de abril, 40 novas cidade apresentavam casos; em 1ª de maio, a doença já era registrada em 85 novos municípios. Atualmente, 64% do território paulista tem casos de Covid-19 e 177 cidades paulistas registram óbitos.

O levantamento também aponta que há infectados em todas as cidades de mais de 70 mil habitantes e a doença avança para as cidades menores.

Em relação às mortes, no dia 1º de abril, 16 cidades tinham registros; em 1º de maio eram 151 –aumento de 18,5%.
O crescimento é mais acelerado no interior se comparado à região metropolitana –68% e 63%, respectivamente. No interior, houve 361 mortes em 30 de abril contra 526 em 11 de maio. No mesmo período, a região metropolitana registrou 2.014 contra 3.183 óbitos.

“O número de mortos pelo coronavírus no interior de São Paulo já representa a 57% de todas as vítimas da Argentina”, diz Vinholi.

O mundo tem 4,2 milhões de pessoas com Covid-19 e 290 mil mortos. Com 168 mil casos e 11.519 óbitos, o Brasil é o 8º país do mundo em infectados e o 6º em mortes. Em óbitos, o Brasil ultrapassou países como Alemanha, Holanda, Bélgica, Canadá e China.

“Estamos progredindo cada vez mais e nos aproximando do topo. Isso mostra a importância do Brasil como um dos centros da epidemia e que poderá se tornar um dos epicentros mundiais”, afirma o coordenador interino do Centro de Contingência de Coronavírus, Dimas Covas.