Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Alexandre Ramagem já deu início ao processo de transição para assumir o comando da Polícia Federal.

Segundo relatos, o delegado fez nesta segunda-feira (27) contato com integrantes da ainda atual diretoria. Uma reunião chegou a ser pré-agendada.

Como mostrou a Folha de S.Paulo, no fim de semana, auxiliares do presidente fizeram consultas informais a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o risco de a indicação ser barrada.

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A expectativa da PF é a de que a nomeação seja oficializada nas próximas horas.

Maurício Valeixo, ex-diretor-geral, deve assumir uma adidância fora do país. O mais provável é que seja em Portugal. Outros diretores também devem ser convidados.

A indicação é feita pelo comando do órgão e o delegado pode ou não aceitar.

Nas últimas trocas da PF, os chefes também foram colocados em outras funções, fora da gestão. Leandro Daiello se aposentou, Fernando Segovia foi para a Itália e Rogério Galloro foi para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Ocupantes de outros cargos de diretoria também assumiram cargos fora do país nas administrações passadas.

Ramagem é próximo da família Bolsonaro. Ele conheceu o presidente e os filhos em 2018, durante a eleição. Depois, assumiu a chefia da Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

Em reunião neste domingo, o presidente avisou que nomearia nesta segunda Jorge Oliveira, atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência, para o lugar de Sergio Moro à frente do Ministério da Justiça e Segurança Pública.