Depois de três meses de intensa procura, o empresário Thiago Marini Wilfer, de 34 anos, internado em Sorocaba, interior de São Paulo, com quadro de leucemia linfoide aguda, conseguiu um doador de medula óssea a 10,6 mil quilômetros de distância – um jovem de 26 anos, que mora próximo de Varsóvia, na Polônia. Exames mostraram que, apesar de a medula do europeu não ser 100% compatível com a do brasileiro, não há risco de rejeição. Em todo o mundo, não foi encontrado doador totalmente compatível com Wilfer.

Thiago recebeu diversas bolsas de sangue durante tratamento em Sorocaba (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

De acordo o Ministério da Saúde, o cadastro de doadores de medula é universal, o que explica ter sido achado um doador compatível com Wilfer na Polônia. No Brasil, a chance de encontrar doador compatível é de uma para 100 mil, podendo chegar a uma em 1 milhão.

No caso do polonês, a compatibilidade é de 90%. O transplante estava previsto para este mês, mas sofrerá atraso porque, em razão da demora, a leucemia voltou a aparecer em exames recentes Thiago foi internado em um hospital particular de Sorocaba e passou por sessões de quimioterapia, que zeraram o quadro leucêmico. “Estamos vivendo um dia por vez. Toda essa espera é angustiante, mas não perdemos a confiança. Se tudo correr bem, o transplante será realizado na primeira quinzena de novembro”, disse Wilfer.

Na página criada em uma rede social para a busca do doador, a mulher do empresário, Marina Wilfer, pediu orações para Thiago e para o “anjo polonês que vai salvar a sua vida”. A coleta da medula do doador vai acontecer assim que Thiago estiver pronto para o transplante. O material será enviado de avião para um hospital de São Paulo, onde a cirurgia será realizada. “Sabemos que o jovem polonês continua firme no propósito de doar um pouco de si para devolver todo nosso sonho de volta. Agora é só o Thiago melhorar”, disse Marina.

Há duas semanas, os médicos pediram um exame complementar sobre a compatibilidade da medula de Thiago com a do polonês. O resultado foi satisfatório. “Já tínhamos um resultado positivo e esse confirmou que os 10% de não compatibilidade não são problema”, disse o paciente. O transplante será realizado no Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), na capital paulista, que é referência nesse tipo de tratamento.

O caso do empresário mobilizou as redes sociais. Casado e pai de três filhos pequenos, ele descobriu a leucemia em janeiro do ano passado, fez um tratamento intensivo e chegou a ser dado como curado. Em junho deste ano, exames mostraram que a doença tinha voltado. Em agosto, os médicos deram uma sobrevida de dois a três meses ao paciente, caso não realize o transplante. A mulher e os filhos de 11, 10 e até o de 3 anos passaram a procurar um doador pelas redes sociais.

A mobilização foi tão grande que esgotou rapidamente a cota mensal de 200 coletas de sangue para o exame de compatibilidade em Sorocaba. Familiares e amigos organizaram caravanas em ônibus para hospitais de Campinas e São Paulo. A família acredita que o movimento levou ao menos 5 mil pessoas a se tornarem doadoras de medula só no Estado de São Paulo. Em Guararapes, terra natal de Wilfer, centenas de pessoas foram fazer o exame em Araçatuba, obrigando o hemocentro a distribuir senhas.

E o número baixo de cotas para exames em Sorocaba motivou o Ministério Público a entrar com ação para obrigar o Estado a ampliar esse número, mas a Justiça entendeu que não havia ilegalidade. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, a cota estabelecida pelo Ministério da Saúde prevê 72,1 mil exames anuais em todo o Estado de São Paulo. Em Sorocaba, 28 mil pessoas já estão cadastradas como doadoras.