Pesquisadores identificaram o que deve ser o primeiro gato brasileiro oficialmente contaminado pelo Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19 em humanos. A descoberta do felino com o vírus foi noticiada pelo jornal O Globo.

(Foto: EBC)

 

O fato não chega a ser surpreendente no universo do novo coronavírus. Já há relatos, em outras partes do mundo, de animais que foram detectados com o Sars-CoV-2.

Mas não fique preocupado. Não há evidências de que os animais domésticos, como gatos e cachorros, sejam uma forma de transmissão importante para pessoas.

São os humanos, ao que tudo indica, que contaminam os animais, segundo informações da FDA (agência de controle de drogas e alimentos, com função similar à da Anvisa) e do CDC (Centros de Controle de Doenças), ambos dos Estados Unidos.

Nos casos de Sars-CoV-2 detectado em animais domésticos, havia ocorrido contato próximo entre o bichinho e uma pessoa infectada pela Covid-19. O mesmo ocorreu no caso brasileiro, segundo reportagem do O Globo.

O gato brasileiro com Sars-CoV-2 – e sem sintomas -, é de Cuiabá, em Mato Grosso. Ele contraiu o vírus de seus donos, um casal e uma criança pequena, que foram contaminados em uma festa de família, em setembro. O casal ficou doente, mas a criança teve um quadro assintomático, segundo a reportagem.

Até o momento, segundo o CDC, já houve registro de infecção pelo Sars-CoV-2 em gatos e cachorros domésticos. Também há documentação de leões e tigres que foram contaminados pelo vírus no zoológico de Nova York, uma das cidades que foi mais afetada pela doença. Nesse caso, os animais foram testados após apresentarem sintomas de problemas respiratórios. Os bichanos se recuperaram bem.

O vírus foi ainda detectado em minques em fazendas na Holanda, Dinamarca, Espanha e Estados Unidos, segundo o CDC. A gata brasileira com Sars-CoV-2 é um caso ilustrativo dos cuidados necessários com os bichinhos de estimação durante a pandemia.

O ideal, segundo o CDC, é limitar as interações do seu animal de estimação com pessoas fora da sua casa. Deve-se manter os gatos dentro de casa, andar com cachorros distante de outras pessoas e evitar locais com aglomerações. Além disso, não se deve colocar máscaras nos bichinhos.

Por fim, se alguém da casa se contaminar, é necessário isolar as pessoas e afastar os bichinhos de estimação dela, da mesma forma como se faz com os outros presentes na residência.