Novas nomeações para cargos na Polícia Federal (PF) anunciadas nesta segunda-feira (4) mostram que o presidente Jair Bolsonaro não desistiu de reformar o perfil da corporação mesmo após os revezes da semana anterior, como o pedido de demissão do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e suas declarações sobre uma suposta tentativa de interferência política por parte do Planalto em investigações em curso.

Carlos, Flávio e Eduardo (Foto: Divulgação)

 

Nesta segunda-feira, foi nomeado como novo diretor-geral da PF Rolando Souza, antes secretário de Planejamento e Gestão da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na gestão de Alexandre Ramagem na agência.

De acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, Souza já está fazendo alterações também em cargos-chave pelo país. Carlos Henrique Oliveira, atual comandante da PF no Rio de Janeiro – base política da família Bolsonaro e onde correm investigações envolvendo alguns de seus representantes – foi convidado para assumir em Brasília o cargo de diretor-executivo, número 2 na hierarquia da corporação.

Isso implica que haverá em breve uma nova nomeação para o comando da PF no Rio de Janeiro, onde há diversas apurações envolvendo Bolsonaro, seus filhos e aliados (confira abaixo). Informações de bastidores indicam que o presidente não estava satisfeito com Carlos Henrique Oliveira ocupando o posto no Rio de Janeiro.

Ramagem era o nome preferencial de Bolsonaro para assumir a direção geral da PF no lugar de Marcelo Valeixo, mas sua nomeação foi suspensa por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes na última quarta-feira (29).

Moraes considerou, para barrar a nomeação de Ramagem, as denúncias de interferência política de Bolsonaro na PF feitas pelo agora ex-ministro Moro, que anunciou sua saída do governo no dia 24. De acordo com Moro, Bolsonaro desejava a troca no comando da Polícia Federal para ter acesso a informações sigilosas e interferir no andamento de investigações.

“O presidente me disse, mais de uma vez, que ele queria ter uma pessoa do contato dele que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, colher relatórios de inteligência”, afirmou Moro em coletiva de imprensa ao anunciar sua saída do governo.

Veja, a seguir, 6 casos que envolvem pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro e que passam pela Polícia Federal.

1. CPMI das fake news

Dois filhos do presidente Jair Bolsonaro – Carlos Bolsonaro, vereador do Rio, e Eduardo Bolsonaro, deputado federal – são investigados pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News.

Depoimentos à comissão denunciaram a participação de Carlos e Eduardo em campanhas na internet para atacar adversários políticos, com uso frequente de notícias falsas.

Alvo de ataques em sites e redes sociais, a deputada federal e ex-líder do governo Joice Hasselmann (PSL-SP) apresentou um dossiê à comissão e acusou Carlos e Eduardo Bolsonaro de impulsionar os ataques. Outro deputado federal, Alexandre Frota (PSDB-SP), também alvo de ataques e outro ex-aliado, fez acusações semelhantes.

2. Inquérito das fake news

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a abertura de uma investigação sobre ataques a membros da corte e do Congresso. A investigação, que tramita em sigilo, teve acesso às informações colhidas pela CPMI das Fake News e pode se tornar outra fonte de preocupação para Eduardo e Carlos Bolsonaro.

Embora a tramitação seja sigilosa, alguns resultados já foram divulgados pela imprensa. Segundo a Folha de S.Paulo, a Polícia Federal identificou Carlos Bolsonaro como um dos articuladores de um esquema criminoso de fake news. E, segundo o Estadão, foram identificados empresários bolsonaristas que estariam financiando ataques contra ministros da Corte nas redes sociais.

Após a saída de Moro com acusações contra Bolsonaro, o ministro do STF Alexandre de Moraes, que é relator do caso, determinou que o comando da Polícia Federal mantenha nos postos os delegados da PF que trabalham nesse caso. A medida foi vista como uma forma de evitar que uma eventual substituição na direção-geral da PF influencie a investigação.

3. Investigação de atos pró-golpe

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, autorizou a abertura de inquérito para investigar as manifestações realizadas no dia 19 de abril. O pedido de investigação foi feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, para apurar se houve ato contra a democracia por deputados federais, o que justifica a competência do STF no caso. Este inquérito também está sob sigilo.

Nessa data, o presidente Jair Bolsonaro fez pronunciamento a manifestantes em frente ao Quartel General do Exército. Entre os manifestantes, havia defensores do fechamento do Congresso, do STF e de um novo AI-5, o ato institucional que endureceu o regime militar e suprimiu direitos e liberdades. O presidente não está no pedido de inquérito.

4. Caso Queiroz e a Superintendência da PF no Rio

Em agosto de 2019, Bolsonaro anunciou a troca de superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro: Ricardo Saadi foi substituído por Carlos Henrique Oliveira. O presidente mencionou problemas de “gestão e produtividade”, mas a instituição negou problemas de desempenho da chefia.

Embora o superintendente da PF no Rio não tivesse ingerência sobre casos envolvendo a família Bolsonaro, houve uma avaliação de que Bolsonaro trocou o superintendente porque a atuação de Saadi estava em sintonia com autoridades que lidavam com o Caso Queiroz — que investiga supostos elos entre milícias do Rio de Janeiro — no âmbito estadual, com o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e amigo de Jair Bolsonaro desde a década de 1980, passou a ser investigado em 2018 depois que o Coaf (atual Unidade de Inteligência Financeira) identificou diversas transações suspeitas.

5. Adélio Bispo

No pronunciamento em que rebateu acusações de Moro, Bolsonaro disse que o ex-ministro se preocupou mais com o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco do que com o atentado sofrido por ele durante campanha presidencial.

A pressão de Bolsonaro sobre o caso Adélio Bispo, autor do atentado a faca, será o primeiro problema para o novo diretor da PF. Segundo a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, a avaliação interna entre os policiais federais é que já houve intensa investigação neste caso, mas que não foi encontrado um mandante.

Ainda está pendente, no entanto, a decisão do STF de autorizar ou não investigações em documentos e equipamentos recolhidos com advogados de Adélio. Caberá aos ministros do Supremo decidir se, neste caso, a PF terá permissão para periciar um celular e outros materiais apreendidos no escritório do advogado Zanone Manuel de Oliveira, que defende Adélio.

6. Secretário de Comunicação de Bolsonaro

No início deste ano, a Polícia Federal abriu inquérito para investigar supostas irregularidades cometidas pelo secretário de Comunicação Social da Presidência da República, Fábio Wajngarten. O inquérito também tramita em sigilo.

O pedido do Ministério Público Federal diz que o objetivo é investigar indícios de corrupção, peculato e advocacia administrativa (quando o gestor usa cargo público para defender interesses privados).

O caso de Wajngarten veio à tona a partir de uma série de reportagens publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo desde meados de janeiro.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.