Pelo menos 32 pessoas foram presas até o meio da manhã desta quinta-feira, 13, em operação da Polícia Civil do Rio que busca capturar foragidos da Justiça por crimes de violência contra a mulher. A ação é coordenada pelo Departamento Geral de Polícia de Atendimento à Mulher (DGPAM) e tem apoio das delegacias da Capital, da Baixada Fluminense e do Interior.

 

RJ – POLÍCIA/OPERAÇÃO ATENA – GERAL – Homem e visto sendo conduzido por agente da Polícia Civil do Rio de Janeiro após deflagrarem a Operação Atena, na Cidade da Polícia (CIDPOL), localizada na zona Norte da capital fluminense, nesta quinta-feira (13). A operação mira agressores de mulheres atuantes em todo o Estado do Rio de Janeiro e tem como objetivo a realização de 100 (cem) mandados de prisão. 13/08/2020 – Foto: MAURICIO ALMEIDA/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

Os mandados de prisão foram expedidos após inquéritos policiais realizados por todas as delegacias do Estado. “Somente em 2019, as Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher indiciaram 16 703 autores de violência doméstica e familiar, além de solicitar 20.930 medidas protetivas de urgência. O resultado deste trabalho são os inúmeros mandados de prisão a serem cumpridos hoje”, afirmou a delegada Sandra Ornellas, diretora do DGPAM.

Batizada de Athena, a operação faz alusão aos 14 anos da Lei Maria da Penha. Segundo a Polícia Civil, a ação desta quinta não inclui agressores foragidos que estejam em favelas. O motivo, de acordo com a corporação, é a restrição imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que proíbe a realização de operações policiais em comunidades do Rio durante a pandemia.