Subiu para 176 o número de mortos por causa das chuvas no Rio Grande do Sul. A atualização foi feita nesta sexta-feira (14) pela Defesa Civil do estado.

Segundo o órgão estadual, o corpo foi encontrado em Venâncio Aires e ainda não foi identificado. A cidade conta agora com cinco mortos na tragédia.

O boletim informou ainda que mais uma pessoa foi registrada como desaparecida em Caxias do Sul, elevando o número para 39 nessa situação. Ao todo, são 806 feridos no estado.

chuva-rio-grande-sul-porto-alegre
PORTO ALEGRE (RS), 03/05/2024 – ENCHENTE / RESGATES / ALAGAMENTOS / COMPORTAS / ROMPIMENTO – Portao de contencao de enchentes (P14), rompe e alaga 4º Distrito. Na tarde desta sexta-feira (03), o portao que fica localizado as margens da Avenida Castelo Branco, rompeu com a forca das aguas do Guaiba, causando mais alagamentos na regiao. Foto: EVANDRO LEAL/Agencia Enquadrar/Folhapress

Também de acordo com o informativo da Defesa Civil, nesta sexta havia 10.793 pessoas em abrigos e 422.753 desalojadas por causa da chuvas e da inundação. Ao todo, 478 municípios no estado foram afetados.

O nível dos principais rios e lagos da região tem baixado gradativamente desde o começo do mês de junho e ficado abaixo da cota de inundação. O nível do lago Guaíba, por exemplo, estava em 2,49 metros, às 17h desta sexta, na Usina do Gasômetro, na região central de Porto Alegre.

A cota de inundação neste ponto de medição é de 3,6 metros. A cota de alerta no local é de 3,15 metros.

A tragédia das chuvas no Rio Grande do Sul, que é comparada ao furacão Katrina, que em 2005 destruiu a região metropolitana de Nova Orleans, na Louisiana (EUA), atingiu outros quatro estados norte-americanos e causou mais de mil mortes.

Profissionais de saúde apontam semelhanças entre as duas tragédias, como falta de prevenção de desastres naturais e inexistência de uma coordenação centralizada de decisões. Colapso nos hospitais, dificuldade de equipes de saúde chegarem aos locais de trabalho e desabastecimento de medicamentos e outros insumos são outras semelhanças apontadas.

Neste momento, uma das principais dificuldades é o reconhecimento dos corpos encontrados. A maioria das vítimas vai precisar de exame de DNA para a identificação.

O médico legista e professor aposentado Nelson Massini afirma que a putrefação de corpos se desenvolve rapidamente com a umidade. Depois de uma semana, fazer a identificação por meio de impressão digital já se torna praticamente impossível.

Outra opção é usar a arcada dentária, por meio de radiografias. Quando nenhum dos dois métodos funciona, é preciso recorrer ao DNA, como deve acontecer no estado.

Outra dificuldade é o fato que muitos corpos foram encontrados embaixo da terra, o que também acelera a a putrefação.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Número de mortos nas enchentes do Rio Grande do Sul chega a 176

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.