A dona de um restaurante no Rio de Janeiro está acusando um motorista de aplicativo de comer o lanche que iria entregar para a cliente. Em vez de receber em casa um cachorro-quente gourmet com pão preto, a consumidora recebeu um cachorro-quente com pão de leite e milho, como os que são vendidos pelas ruas da cidade. As informações são da Istoé.

(Foto: Reprodução)

 

“Como um lanche saiu da minha casa e magicamente se transformou num podrão do Ailton? (Galera da PS tá ligada) Sendo que eu nem tenho esses ingredientes na minha casa. Então eu disse ‘Renata, o motorista deve ter comido! Não tem outra explicação. Não tem como!’”, indignou-se uma das donas do Tate’s Artesanal, em uma série de posts no Twitter.

De acordo com Bruna Tate, a cliente é freguesa da casa e está acostumada a fazer pedidos no local. No entanto, ela mora em uma região que não é alcançada pelo sistema de entregas utilizado pela lanchonete e, por isso, ela pediu um carro de aplicativo.

Para ler a matéria completa na Revista Istoé clique aqui.