O dono de uma lanchonete de Goiânia disse que uma cliente não deixou um entregador entrar no condomínio de luxo em que ela mora porque o homem é negro. O caso aconteceu neste domingo (25), informa o Portal G1/GO.

Nas mensagens enviadas por um aplicativo, a mulher escreveu que deveriam mandar um motoboy branco. “Eu não vou permitir esse macaco”, afirmou. A direção do comércio disse que vai registrar o caso na Polícia Civil.

A gerente da lanchonete, Ana Carolina Gomes, mandou mensagem à cliente para saber o endereço exato em que a mulher mora, já que faltavam dados. Depois, quando a funcionária pediu à moradora que autorizasse a entrada do entregador, a mulher se recusou.

Mensagens trocadas pela moradora com a lanchonete – reprodução

“Esse preto não vai entrar no meu condomínio. Mandar outro motoboy que seja branco”, escreveu a cliente.
A gerente negou-se a atendê-la. Em seguida, a moradora chamou o motociclista de macaco.

Na troca de mensagens, a gerente afirmou que racismo não seria tolerado e que o pedido não seria entregue. A cliente, então, escreveu: “Adeus. Não uso restaurante judaico”.

O entregador que teve a entrada proibida pela moradora do condomínio, Elson Oliveira, de 39 anos, contou que tem 12 anos de profissão e que nunca havia passado por uma situação semelhante.

Já aplicativo ifood, usado pela cliente para fazer o pedido, informou que já identificou a mulher e que ela foi banida imediatamente da plataforma.

Leia a reportagem completa AQUI