O pastor e líder da igreja pentecostal Assembleia de Deus Vitória em Cristo, Silas Malafaia, afirmou, em vídeo publicado em seu canal no YouTube, que não vai diminuir o número de cultos nem fechar igrejas por causa da pandemia do coronavírus, contrariando recomendações de autoridades de saúde para que não haja aglomerações.

(Foto: Divulgação)

 

Para Malafaia, a igreja é “tão importante quanto as medidas contra” a doença. O pastor afirmou que só suspenderia os cultos caso a covid-19 force as prefeituras e Estados a interromper o funcionamento dos transportes coletivos. Mas o pastor ressaltou que deixará igrejas abertas para atender pessoalmente os fiéis. Malafaia propôs como alternativa que “forças-tarefa” sejam deslocadas para estações de trem, metrô e terminais de ônibus para “fazer uma limpeza para amenizar” a disseminação da doença

É a segunda vez na semana que um pastor evangélico vem a público minimizar os riscos do coronavírus, apesar de todos os alertas que vêm sendo feitos pelas autoridades de saúde. No fim de semana, em uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook, o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, disse aos fiéis que não se preocupem com a propagação do coronavírus. Ele atribuiu a tensão que o mundo vive com a doença a uma “tática de Satanás” e ao trabalho da mídia.

A Igreja Universal não cancelou os cultos. Em seu site oficial, informa que “obedece a quantidade estipulada pelas autoridades e controla a entrada de público”. Se necessário, diz, é ampliado o número de reuniões para atender a todos. Ainda orientou que se evite orações com “imposição de mãos” e que disponibilizará álcool em gel e água e sabão para os fiéis.

O presidente da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, deputado Silas Câmara (Republicanos-AM), divulgou nota para pedir a reabertura de templos. Os parlamentares argumentam que precisam de orações para enfrentar a “pandemia maligna”.

“Sabemos que a Igreja é lugar de refúgio para muitos que se acham amedrontados e desesperados. A fé ajuda a superar angústias e é fator de equilíbrio psicoemocional. Por isso, neste momento de tanta aflição, é fundamental que os templos, guardadas as devidas medidas de prevenção, estejam de portas abertas para receber os abatidos e acolher os desesperados”, diz a bancada.

A banda evangélica disse dar “apoio irrestrito à decretação do estado de calamidade pública” pelo governo federal. A decisão do governo permite o rompimento da lei de teto de gastos.

Católicos

Já a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) recomendou que as igrejas católicas sigam os protocolos das autoridades. A reunião anual dos bispos que aconteceria na próxima semana foi cancelada. Diversas arquidioceses e dioceses pelo Brasil suspenderam as missas públicas.