Os membros da força-tarefa da Lava Jato no Paraná lamentaram, em nota divulgada nesta quinta-feira (8), a fala do presidente Jair Bolsonaro sobre ter ‘acabado’ com a operação. De acordo com os procuradores do Ministério Público Federal (MPF), o discurso indica “desconhecimento” sobre a atualidade dos trabalhos na força-tarefa e a necessidade de continuidade.

Foto: Agência Brasil

A fala de Bolsonaro ocorreu durante pronunciamento no Palácio do Planalto. “Eu desconheço um lobby para criar dificuldade para vender facilidade. Não existe. É um orgulho, é uma satisfação que eu tenho, dizer a essa imprensa maravilhosa que eu não quero acabar com a Lava Jato. Eu acabei com a Lava Jato, porque não tem mais corrupção no governo. Eu sei que isso não é virtude, é obrigação”, afirmou.

Para a Lava Jato, a fala reforça a percepção sobre a ausência de efetivo comprometimento com o fortalecimento dos mecanismos de combate à corrupção. “A Lava Jato é uma ação conjunta de várias instituições de Estado no combate a uma corrupção endêmica e, conforme demonstram as últimas fases dos trabalhos, ainda se faz essencialmente necessária. Ainda ontem (7), na mesma data da declaração do Presidente, foi deflagrada a 76ª fase da operação, na qual houve a apreensão do equivalente a quase R$ 4 milhões em espécie em endereços de investigado pela prática de delitos contra a Petrobras”, descreve.

A nota diz ainda que o apoio da sociedade, fonte primária do poder político, bem como a adesão efetiva e coerente de todos os Poderes da República, é fundamental para que esse esforço continue e tenha êxito. “Os procuradores da República designados para atuar no caso reforçam o seu compromisso na busca da promoção de justiça e defesa da coisa pública, papel constitucional do Ministério Público, apesar de forças poderosas em sentido contrário.”