Foto: EDMAR BARROS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Um incêndio de grandes proporções atingiu cerca de 600 casas de madeira no bairro de Educandos, zona sul de Manaus, na noite da segunda-feira, 17. A estimativa é da Defesa Civil da capital amazonense. O fogo teve início por volta das 21 horas e ao menos quatro pessoas ficaram feridas. Uma delas foi encaminhada ao hospital e pronto-socorro 28 de Agosto, em Adrianópolis.

Até o momento, não há registro de mortes. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o fogo foi controlado.

Muitas das residências estão localizadas próximas ao Rio Negro. De acordo com o Corpo de Bombeiros, há indícios de que o fogo tenha começado após a explosão de uma panela de pressão em uma das casas.

O vento estava muito forte e ajudou a alastrar as chamas.

De acordo com a corporação, foram mobilizados 100 bombeiros e 14 caminhões, e mais de 100 mil litros de água foram usados para combater o incêndio.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), lamentou o ocorrido e afirmou que irá declarar estado de emergência. “Toda a Prefeitura estará à disposição das vítimas da tragédia enquanto o problema durar”, disse ele em sua conta no Twitter.

No fim da noite, a Prefeitura anunciou uma força-tarefa para atender às vítimas. Equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Defesa Civil, Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manautrans), Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc) e Fundo Manaus Solidária prestaram atendimento às pessoas prejudicadas pelo incêndio.

Duas escolas e um centro social foram colocados à disposição dos desabrigados. Todos os acessos para o bairro de Educandos foram interditados.

O presidente Michel Temer colocou os órgãos do governo federal à disposição das autoridades estaduais do Amazonas para apoiar as ações na região. “Minha solidariedade às famílias vítimas do incêndio em Manaus. Falei com o prefeito Arthur Virgílio e coloquei o governo federal à disposição”, afirmou, no Twitter.

Calamidade pública

Arthur Virgílio e sua mulher e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, estiveram nas primeiras horas desta terça-feira, 18, na área atingida pelo incêndio. “Irei assinar um decreto de calamidade pública para comprar com agilidade, sem a necessidade do burocrático processo de licitação, tudo o que for necessário neste momento para ajudar estas famílias que perderam o pouco que tinham”, disse ele.

O prefeito também destacou as doações feitas às famílias. “O que for possível e estiver dentro das nossas forças será feito para mitigar o sofrimento dessas pessoas.”

De acordo com dados da Prefeitura de Manaus, ao menos 500 famílias ficaram desabrigadas.

Elisabeth pediu à sociedade que se mobilize. “Estamos aqui prontos para receber doações de roupas, sapatos, remédios, colchões. Tudo é muito bem-vindo numa situação como essa.”