O governo federal editou nesta quinta-feira, 24, medida provisória para liberar cerca de R$ 2,5 bilhões para o País aderir ao Covax Facility, consórcio global de governos e fabricantes para impulsionar o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19. Além desta, uma segunda medida, de adesão ao programa, deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União desta quinta-feira, 25.

“Espera-se que, por meio deste instrumento, o Brasil possa comprar o equivalente para garantir a imunização de 10% da população até o final de 2021, o que permite atender populações consideradas prioritárias”, afirma o Palácio do Planalto em nota A adesão permitirá o acesso ao portfólio de nove vacinas em desenvolvimento, além de outras em análise.

O governo aposta na vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a AstraZeneca contra a covid-19. A Fiocruz ganhou aporte de R$ 2 bilhões para receber, processar, distribuir e passar a fabricar sozinha o imunizante. A ideia é que os primeiros 15 milhões de doses sejam aplicados em janeiro de 2021 no Brasil, ano em que 100 milhões de unidades devem ser distribuídas.

Foto: Reprodução

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira, 24, que a pasta acompanha o desenvolvimento de todas as vacinas, e não descarta comprar doses além daquelas de Oxford.

Governos estaduais também têm negociações próprias sobre vacinas São Paulo, por exemplo, aposta na Coronavac, fabricada na China O Paraná, por sua vez, tem negociação com a Rússia para fabricar a Sputnik V.

“Esta iniciativa (aderir ao Covax Facility) não impede que o país realize posteriormente acordos bilaterais com outras empresas biofarmacêuticas produtoras de vacinas contra a Covid-19 que não estejam contempladas pela iniciativa global. Também não ficam impedidas iniciativas já realizadas pelo Estado Brasileiro, com as empresas biofarmacêuticas que fazem parte da iniciativa global”, disse o Planalto em nota.