Nesta quarta-feira (26), a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) realizou em Brasília a reunião do Conselho Superior. No evento foram discutidos temas de importância para o meio rádio, além da realização da votação para o processo de eleição do novo presidente e vice-presidente da associação.

Michel Micheleto e Flávio Ferreira de Lara Resende (Divulgação)

Na programação do ato ainda foram abordadas a apresentação do relatório de atividades da gestão e a eleição dos membros da comissão de finanças da Abert. Os conselheiros foram convocados a participar tanto presencialmente, respeitando os cuidados para a prevenção da covid-19, quanto remotamente através de presença online em uma plataforma de videoconferência.

Conforme a agenda do evento foi realizada a eleição dos novos comandantes da associação. O ex-presidente Paulo Tonet Camargo e sua vice, Marise Westphal Hartke passaram os cargos aos novos integrantes da presidência. Flávio Ferreira de Lara Resende, diretor geral do Grupo Bandeirantes de Comunicação, assume a gestão 2020/2022 como presidente e Roberto Cervo Melão, presidente da Agert (Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão), será o vice-presidente deste mandato na Abert.

A eleição foi acompanhada pelo presidente da Aerp, Michel Micheleto, presencialmente em Brasília. Michel enalteceu o resultado e expressou seu desejo de fortalecimento do meio rádio após a escolha da nova presidência. “Para nós é importante manter as entidades de maior expressão do meio no país comandadas por pessoas que seguem rumo à evolução da radiodifusão”.

Em discurso, o novo presidente exaltou o trabalho da gestão anterior, agradeceu aos companheiros de radiodifusão e televisão e reafirmou os objetivos da associação. “Assumo a presidência de uma sociedade civil importante, não só para as empresas a ela filiadas, mas para o nosso país e para o seu futuro como nação democrática” explanou Flávio Ferreira. Em tempos de fake news, o gestor exaltou a importância da busca pela liberdade de expressão.

Principais objetivos e agenda da nova gestão

– Redução da simetria regulatória

– Inclusão definitiva do setor em projetos com foco em inovação e tecnologia

– Conclusão do processo de migração do AM/FM

– Desbloqueio do Chip fm nos celulares

– Aprovação da PEC sobre os limites de investimento de capital estrangeiro nas emissoras

– Revisão e desburocratização do marco regulatório