Uma idosa de 69 anos foi morta a facadas dentro de casa. O filho adotivo, de 25 anos, é considerado o principal suspeito. O crime ocorreu entre as 21h e 23h desta sexta-feira (23) na região da Ponte Rasa (zona leste da capital paulista). O acusado fugiu e não havia sido encontrado até a noite deste sábado (24). Segundo a polícia, o crime teria ocorrido pelo fato de ele ser usuário de drogas.

Imagem ilustrativa/Divulgação Polícia Civil

Segundo imagens de uma câmera de monitoramento, instalada na sala da residência, o filho entrou no local, por volta das 21h. Após isso, ele teria subido para o primeiro piso da residência, onde estava a mulher. Neste andar não há câmeras. O acusado morava junto com a mãe.

O filho adotivo da vítima permaneceu por cerca de duas horas na casa, quando foi filmado novamente pela câmera da sala com uma mancha na calça, que seria sangue. Após isso, ele se lavou em um banheiro e saiu.

Segundo um vizinho, um assistente fiscal de 39 anos, uma empregada da família foi quem encontrou o corpo da idosa no início da manhã deste sábado ao lado de uma churrasqueira, no primeiro piso do imóvel. “O chão estava todo cheio de sangue, pelo que me falaram”, afirmou.

A reportagem apurou que a vítima foi esfaqueada no pescoço. Além disso, ela teria sido ferida em outros pontos do corpo. No momento do crime, o marido da mulher, que tem mal de Alzheimer, dormia no quarto do casal, que fica no primeiro piso da residência.

A arma usada no crime não foi encontrada.

Drogas

Segundo um policial que investiga o caso e que pediu anonimato, o acusado seria usuário de drogas e, por isso, se desentendia com a mãe adotiva há pelo menos cinco anos.

Ele chegou a ser indiciado três vezes por dano ao patrimônio e por roubar a própria mãe, além de um furto. Pelo último crime, realizado em realizado na cidade de Urânia (594 km de SP), ele chegou a ficar preso – foi solto em 19 de julho.

Ainda segundo a polícia, o acusado já foi internado dez vezes em clínicas de reabilitação. Parentes afirmaram em depoimento que ele é viciado em cocaína e maconha. O suspeito foi adotado pela vítima quando tinha 1 ano de idade.
Além dele, a vítima era mãe de mais dois filhos, que não tiveram as identidades informadas.