Uma enfermeira de 40 anos, que trabalhava no laboratório Lavoisier, morreu após testar positivo para Covid-19 em São Paulo na noite de sexta (20). Ela sofria de diabetes e estava internada no Hospital Presidente, no bairro de Tucuruvi, na Zona Norte da capital.

Unidade Angelica II: fechada (Reprodução/Veja SP)

 

Segundo informações preliminares, a unidade em que ela trabalhava, a Avenida Angelica II, situada no número 2 229 da mesma avenida, está fechada ao público.

Nas redes sociais, uma amiga da vítima escreveu: “Ela deu a vida deixando filho e familiares em troca de outras tantas vidas…. E você ainda quer ficar achando que é brincadeira, golpe de marketing ou palhaçada política. Nós corremos riscos não por escolha e sim porque amamos nossa profissão, mas também temos família. Meus sentimentos aos familiares, que Deus os conforte nesse momento… FIQUEM EM CASA”

Em nota encaminhada à Vejinha, o laboratório informa que “está apoiando a família neste momento tão difícil”. “Expressamos aqui nossa sincera homenagem e agradecimento à [nome omitido pela redação]. Informamos que todos os procedimentos de coleta domiciliar para COVID-19 realizados pelo Lavoisier seguem rigorosamente as boas práticas de segurança determinadas pela Vigilância Sanitária. Isso engloba paramentação específica com os seguintes equipamentos de proteção individual: máscara N95, luvas descartáveis para procedimentos, óculos de proteção, avental descartável sob o jaleco”, segue a nota. “Acrescentamos, ainda, que todos os colaboradores receberam treinamentos que constam nas políticas de instrução da companhia. O Lavoisier possui as principais acreditações nacionais e internacionais de qualidade que garantem a segurança a todos os processos.”

Para ler a matéria completa no Veja clique aqui.