Um candidato a vereador foi baleado quando fazia uma transmissão ao vivo pela internet, no início da manhã desta segunda-feira (9), em Guarulhos (Grande SP). Ricardo de Moura (PL), 40 anos, permanecia internado até a publicação desta reportagem. O estado de saúde do candidato “estável e consciente”, segundo a Secretaria Estadual da Saúde.

Reprodução

Moura fazia a live enquanto aguardava a candidata à prefeitura Adriana Afonso (PL). Ambos fariam campanha na região do bairro Taboão, juntamente com o candidato a vice-prefeito coronel Flammarion Ruiz, que também é presidente do diretório guarulhense do PL.

Antes da chegada dos correligionários, um homem de capuz, ainda não identificado, atirou contra Moura e fugiu correndo para dentro de uma favela da região, afirmou Ruiz ao Agora. Nenhum objeto foi levado pelo suspeito. A vítima foi ferida no ombro direito e em uma das pernas, sendo encaminhada em seguida ao HGG (Hospital Geral de Guarulhos), onde permanecia internado, com seguranças.

Segundo a transmissão feita pelo candidato, sua fala é interrompida quando ele afirma “vamos fazer a diferença para Guarulhos”. Após isso, a vítima caí no chão, da mesma forma que o celular. Segundos depois é possível ouvir um segundo disparo e um grito de dor, provavelmente do candidato após ser ferido.

“O crime aconteceu pouquíssimos minutos antes de a gente chegar ao local”, disse Ruiz, se referindo à praça 8 de Dezembro, na região do bairro Taboão. A candidata ao Executivo de Guarulhos ficou abalada e a campanha acabou parcialmente suspensa nesta segunda. “A distribuição de santinhos foi mantida, mas deixamos de fazer o que estava programado [para o período da manhã e início da tarde], “acrescentou o coronel Ruiz.

Ele acredita que o “perfil combativo” de Moura pode ter contribuído para o crime, por hora ainda com motivação incerta. “Não podemos descartar nenhuma hipótese. Mas pode ter sido um atentado, já que não levaram nenhum objeto dele”.
O Setor de Homicídios e de Proteção à Pessoa da Polícia Civil cidade foi acionado para as investigações. A polícia afirmou descartar “por enquanto” a motivação política para o crime, registrado como tentativa de homicídio.

“Foi solicitada perícia e o caso foi registrado pelo 9º DP de Guarulhos. Diligências estão em andamento para localizar os autores”, diz trecho de nota da SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB).