(Foto: Reprodução Facebook)

 

A menina de 9 anos, irmã mais velha do bebê que morreu asfixiado com o cobertor em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, na segunda-feira (12), afirmou ao Conselho Tutelar que sempre ficava responsável por cuidar do irmão de 7 anos e dos gêmeos de sete meses. “Isso já teria acontecido outras vezes e é abandono de incapaz”, afirmou a conselheira Adriana Martins Facuda, que acompanha o caso.

Os pais, Luciano Barbosa Pereira, de 43 anos, e a mulher dele, Daniely Oliveira, de 29 anos, foram presos em flagrante e autuados por abandono de incapaz. A defesa deles não foi localizada. Segundo o delegado regional Claudinei Lopes, o casal já foi ouvido durante o plantão policial e o caso será investigado pela Delegacia Especializada da Criança.

“Eles foram autuados por abandono de incapaz qualificado, devido à morte dessa criança, que prevê pena de 4 a 15 anos, crime majorado por serem pais da vítima. E deverão ser indiciados também com relação aos outros filhos que são menores, por abandono de incapaz, cuja pena é de 6 meses a 3 anos de detenção”, disse.

Para ler a matéria completa no G1 clique aqui.