Bancos e fintechs estão disputando as informações de clientes em cadastros de chaves Pix. Para atrair os usuários, as instituições chegam a oferecer cupons para concorrer a até R$ 1 milhão. A nova solução de transferências e pagamento foi lançada na segunda-feira (16).

(Foto: EBC)

 

A disputa acontece porque há um limite de chaves que podem ser cadastradas para cada pessoa. Se um cliente inserir o CPF no Banco do Brasil, por exemplo, a chave se torna exclusiva da instituição, e ele não poderá utilizá-la para receber transferências por outro banco, no caso de ter mais de uma conta. Cada cliente pode ter até cinco chaves para cada conta da qual for titular.

A bolada de R$ 1 milhão é oferecida pelo Santander, que vai sortear dois prêmios nesse valor -um para conta de pessoa física, outro para pessoa jurídica. Para concorrer não basta cadastrar a chave, precisa também realizar transações Pix pelo banco.

No Banco do Brasil, os prêmios vão a até R$ 100 mil para cada chave cadastrada. No total, a instituição vai sortear R$ 700 mil divididos em 237 prêmios. No Itaú, a cada chave o cliente recebe R$ 5 e, para cada transferência acima deste valor, outros R$ 5.

Fintechs também entraram na briga. O Nubank lançou uma promoção para clientes que podem concorrer a R$ 20 mil reais. Em um segundo momento da promoção, cada transferência feita por Pix dá ao cliente o direito a concorrer a R$ 50 mil.

Outras promoções envolvem programas de pontos, como no caso do C6 Bank. Quem cadastrar número de celular ou CPF como chave na instituição financeira recebe 500 pontos no programa de fidelidade.

“A chave é o seu domicílio bancário. A disputa está em cadastrar o maior número de chaves, para ser o domicílio principal do cliente”, analisa Otavio Farah, sócio do FitBank, que faz gestão de pagamentos para bancos e fintechs.

“As empresas atuando mais pesadamente são as que têm uma massa de clientes grande. Se eu tenho todas as chaves em um banco só, certamente meu dinheiro vai para lá.”

Farah avalia que, do ponto de vista do cliente, o ideal é não acumular todas as chaves em um mesmo canal. Mas lembra que o cadastro não é definitivo, já que é possível realizar a portabilidade dos cadastros. “Ter uma diversidade grande dá condição ao cliente de testar o serviço de todo mundo e ver o que faz mais sentido para ele.”

André Galhardo, economista-chefe da consultoria Análise Econômica, disse em entrevista à Folha na quarta (18) que não vislumbra diminuição da concentração bancária nos próximos anos.

À Folha de S.Paulo, o Nubank respondeu que a Tem WOW Nesse Pix, nome dado à sua promoção, foi lançada como uma forma de “celebrar a chegada do novo arranjo e incentivar a adoção dos nossos clientes.”

Sobre concentrar o número de chaves de um cliente, a fintech respondeu que “é uma maneira de ter maior controle dos dados pessoais -os clientes podem dividir a chave do celular apenas com amigos e o CPF apenas com estabelecimentos comerciais, por exemplo- e também é uma maneira de concentrar e controlar o saldo em uma única conta.”

Os demais bancos não responderam.