A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, celebrou neste domingo a prisão dos mandantes do assassinato de sua irmã, a vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco.

Em suas redes sociais, Anielle escreveu que era um “grande dia”.

"Acho que a maior surpresa nisso tudo era exatamente o nome do doutor Rivaldo. Era um nome que inclusive a minha filha confiava nele, no trabalho dele." - declarou Anielle - Foto: Reprodução/Redes Sociais
“Acho que a maior surpresa nisso tudo era exatamente o nome do doutor Rivaldo. Era um nome que inclusive a minha filha confiava nele, no trabalho dele.” – declarou Anielle – Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Só deus sabe o quanto sonhamos com esse dia! Hoje é mais um grande passo para conseguirmos as respostas que tanto nos perguntamos nos últimos anos: quem mandou matar a Mari e por quê?”, escreveu a ministra.

Anielle também disse que “estamos mais perto da justiça”.

“Defender a justiça por esse crime, defender a democracia, representa um lado da narrativa que estamos vivendo hoje. Não têm sido fácil esses últimos 6 anos. Hoje estamos dando resposta para violência politica, estamos dando resposta para o favelado que votou na Marielle, para as mulheres que colocaram seus corpos a serviço da política”, escreveu também a ministra.
Ela no entanto, acrescenta que há um “longo caminho a percorrer”.

A Polícia Federal prendeu neste domingo (24) três suspeitos de mandar assassinar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, além da tentativa de matar a assessora Fernanda Chaves, em março de 2018.

Os três presos são o deputado federal Chiquinho Brazão (União Brasil-RJ), o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio Domingos Brazão e o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil no Rio.

A operação, chamada Murder Inc., é realizada em conjunto com a Procuradoria-Geral da República e o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro.

Além dos mandados de prisão, a polícia cumpre 12 mandados de busca e apreensão expedidos pelo STF (Supremo Tribunal Federal), todos no Rio.

A operação é realizada no domingo para surpreender os suspeitos, de acordo com as primeiras informações. Há a suspeita de que eles tentariam fugir.

Pouco depois, em entrevista à GloboNews, a ministra Anielle Franco e sua mãe, Marinete da Silva, apontaram que um dos pontos de surpresa foi a prisão do delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil no Rio. Disseram que havia uma relação de confiança com o delegado.

“Acho que a maior surpresa nisso tudo era exatamente o nome do doutor Rivaldo. Era um nome que inclusive a minha filha confiava nele, no trabalho dele. Ele foi um homem que disse que era questão de honra para ele elucidar esse caso. Ele disse para mim e para meu marido que era questão de honra”, afirmou Marinete.

“É uma tristeza muito grande, porque quando você passa a viver uma situação dessa, com uma autoridade que está dentro do serviço público para fazer seu trabalho. É ainda mais difícil. Infelizmente, ver o nome do doutor Rivaldo nessa lama”, completou.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Anielle Franco comemora prisão dos mandantes: ‘Só deus sabe o quanto sonhamos com esse dia’

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.