Um trecho do vídeo do presidente Donald Trump divulgado pela Casa Branca no domingo (4) parece ter sido editado para esconder uma tosse do republicano, afirmou o jornal Washington Post.

Por volta do fim do primeiro minuto, há uma quebra na fala do presidente ao mesmo tempo em que ele aparece ligeiramente levantando os ombros -o que, segundo o jornal, indica uma tosse ou um soluço.

Aparentemente, houve um corte na gravação e uma transição entre as imagens. Não é possível, no entanto, saber o conteúdo do trecho que foi retirado.

O vídeo foi divulgado em meio a relatos conflitantes de médicos e assessores sobre a gravidade do quadro de Trump, que foi internado na sexta-feira (2) após ter recebido o diagnóstico da Covid-19. Ele precisou receber oxigenação suplementar e teve febre alta naquele dia -o presidente faz parte do grupo de risco por ser obeso e idoso.

Na mensagem de quatro minutos, Trump diz que os próximos dias “serão o verdadeiro teste” e que, quando chegou ao hospital militar Walter Reed, onde ele está internado, não passava bem, mas que estava se sentindo melhor.

O jornal afirma ainda que duas fotos do presidente, que dão a impressão de terem sido tiradas em períodos diferentes do mesmo dia, foram na verdade registradas com 10 minutos de diferença. É possível saber o momento em que uma foto foi tirada a partir de seus metadados -um conjunto de informações que fazem parte de qualquer imagem feita por um dispositivo digital.

O horário registrado, no entanto, pode não ser totalmente preciso, uma vez que é aquele da câmera utilizada, que pode estar com seu relógio atrasado ou adiantado, por exemplo.

As imagens mostram Trump assinando e lendo vários papéis. Na primeira, ele está na mesma sala e roupa que aparecem no vídeo. Na segunda, Trump está sentado em uma mesa de conferência do centro médico, sem paletó e com várias pastas à sua frente.

O presidente anunciou nesta segunda (5) que deixará o hospital antes do fim do dia.

O vice Mike Pence e a candidata à Vice-Presidência Kamala Harris ficarão separados por uma barreira de acrílico durante o debate marcado para quarta-feira (7), de acordo com uma fonte familiarizada com a questão, em um esforço para reduzir o risco de transmissão do coronavírus.

O debate, o único agendado entre os candidatos a vice, acontecerá em Salt Lake City, no estado de Utah, seis dias depois de o presidente Donald Trump anunciar que havia contraído o vírus.

Tanto a senadora democrata quanto o republicano tiveram resultados negativos para testes de coronavírus nos últimos dias. Diversos funcionários da Casa Branca e aliados republicanos, incluindo três senadores, receberam o diagnóstico de Covid-19.

Em um comunicado, a porta-voz de Pence, Katie Miller, disse que “se a senadora Harris quiser ter uma fortaleza ao seu redor, faça isso”. A campanha de Biden não quis comentar.