A OMS (Organização Mundial da Saúde) não recomenda o uso da droga remdesivir, da farmacêutica Gilead, contra a Covid-19. Segundo um painel de especialistas da entidade, os dados disponíveis não apontam para melhoras signifiticativas em pacientes com o novo coronavírus. A recomendação contra o uso se estende para quaisquer graus de gravidade da Covid-19.

A OMS concluiu que o medicamento não evita mortes, nem o agravamento da doença – POOL/AFP/Arquivos

 

“O painel enfatiza que a evidência não sugere efeitos importantes sobre a mortalidade, necessidade de ventilação mecânica, tempo para melhora clínica e outros resultados importantes para o paciente”, afirma a atualização mais recente do guia de drogas contra a Covid-19 da OMS, publicado na revista científica BMJ.

Mesmo assim, pela qualidade fraca da evidência disponível, o painel de especialistas diz que os dados não provam que a droga seja totalmente ineficaz.

A atualização da recomendação da OMS é baseada em dados de testes de drogas em quatro estudos clínicos internacionais randomizados que totalizam mais de 7.000 pessoas hospitalizadas com Covid-19.

Apesar do antiviral ter sido aprovado pela FDA (Food and Drug Administration, agência americana similar à brasileira Anvisa que regula drogas e alimentos) como o primeiro tratamento para Covid-19, os resultados de testes iniciais já não mostravam nada além de uma diferença modesta entre o remdesivir e o placebo.

O antiviral tem autorização para uso emergencial nos EUA para todos os adultos e pediátricos internados com a Covid-19.

A droga inicialmente havia sido desenvolvida para o tratamento de ebola, mas sem resultados expressivos contra a doença.