O Reino Unido tornou-se o primeiro país ocidental a conceder autorização para uso emergencial de uma vacina contra a covid-19, abrindo o caminho para que o imunizante desenvolvido pela americana Pfizer em parceria com a alemã BioNTech seja distribuído à população britânica em volumes limitados em poucos dias.

Foto: José Fernando Ogura/AEN

 

A mesma vacina está sendo avaliada pelo órgão regulador de medicamentos e alimentos dos EUA, a FDA, com expectativa de que a autorização saia ainda este mês e a vacinação comece antes do fim do ano. O Brasil, por sua vez, não se preparou para receber estas vacinas, já que nesta terça-feira o Governo Federal anunciou que as vacinas que serão incluídas no Plano Nacional de Imunização devem ser termoestáveis e poder ser armazenadas em temperaturas de 2°C a 8°C –temperaturas de geladeiras comuns–, o que inviabilizaria o uso das candidatas da Pfizer e da Moderna. Ambas vêm demonstrando bons resultados nos testes clínicos de fase 3 e são consideradas pelos cientistas como algumas das mais promissoras.