Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv avançaram na criação de uma solução barata com luz ultravioleta para esterilizar superfícies, evitando a propagação do coronavírus. De acordo com o trabalho, publicado na edição de novembro de 2020 do Journal of Photochemistry and Photobiology B: Biology, a irradiação UV-LED em diferentes comprimentos de onda ou frequências mostrou-se eficaz para matar o Sars-CoV-2, que causa a Covid-19.

ZAIN/PEXELS

 

A pesquisa foi feita utilizando lâmpadas de LED que irradiam luz ultravioleta. Hadas Mamane, chefe do Programa de Engenharia Ambiental da universidade e líder do estudo, afirmou que as vantagens da técnica seriam matar o vírus de forma barata, acessível, com pouco gasto de energia e sem mercúrio, substância presente em lâmpadas convencionais. “Nossa pesquisa tem implicações comerciais e sociais, dada a possibilidade de usar essas lâmpadas LED em todas as áreas de nossas vidas, com segurança e rapidez”, resumiu.

Os pesquisadores testaram o comprimento de onda ideal para matar o coronavírus e descobriram que 285 nanômetros (nm) foram quase tão eficientes na desinfecção dos espaços quanto um comprimento de onda de 265 nm, exigindo menos de meio minuto para destruir mais de 99,9% do Sars-CoV-2. Esse resultado é significativo porque o custo das lâmpadas LED de 285 nm é muito menor do que o das lâmpadas de 265 nm, e há mais das primeiras disponíveis no mercado.

 

Para ler a matéria completa no Metrópoles, parceiro da Banda B, clique aqui.