Um levantamento realizado pelo instituto Ipsos aponta que, em 21 países, a maioria dos entrevistados votaria em Joe Biden para elegê-lo o próximo presidente dos Estados Unidos. No Brasil, 39% escolheriam o democrata, enquanto 20% têm Donald Trump como favorito.

O único país em que o atual presidente americano conquistaria mais um mandato na Casa Branca é a Rússia. O republicano tem 27% de preferência entre os russos, contra 13% do democrata. Metade dos entrevistados no país de Vladimir Putin não soube opinar e 10% preferiram não responder à pesquisa.

 

US President Donald Trump (L) and Democratic Presidential candidate and former US Vice President Joe Biden take part in the first presidential debate at Case Western Reserve University and Cleveland Clinic in Cleveland, Ohio, on September 29, 2020. (Photo by Morry Gash / POOL / AFP)

 

Na Polônia, os dois candidatos ficaram empatados com 27% de intenção de voto. Em todos os outros 21 países presentes no levantamento da Ipsos, Biden aparece na liderança. Na média entre as 24 nações, o democrata é o favorito de 48% dos entrevistados, enquanto 17% preferem Trump, 26% não sabem e 9% preferem não opinar.

A maior vantagem de Biden aparece na Suécia, onde 73% o escolheriam como presidente, 31 pontos percentuais à frente de Trump. A Índia registra a maior porcentagem de apoio ao líder republicano (34%), embora o democrata seja o preferido de 38% dos indianos.

Alvo das políticas contra imigrantes, uma das principais bandeiras de Trump, o México apresenta a menor porcentagem de apoio ao atual presidente. Apenas 7% dos mexicanos afirmam que votariam para reelegê-lo, enquanto 61% escolheriam Biden.

A pesquisa também perguntou quem os entrevistados acreditam que vai vencer a eleição de 3 de novembro. Na média, 38% dizem acreditar que Biden será o vencedor, enquanto 27% apostam em uma vitória de Trump. Em três países, os entrevistados acreditam na reeleição do republicano: Polônia (41%), Rússia (36%) e Hungria (35%).

A Ipsos entrevistou 17.507 pessoas nos 24 países entre os dias 25 de setembro e 9 de outubro. A margem de erro da pesquisa varia entre 3,5% e 4,8%.