O papa Francisco anunciou neste domingo (1º) que um resfriado impede que ele compareça ao retiro de quaresma com a cúria. O anúncio foi feito na praça São Pedro, durante a primeira aparição do pontífice desde quarta-feira (26).

(Foto: Divulgação)

A renúncia de sua participação no retiro espiritual, que dura uma semana, ocorreu após a oração Angelus, durante a qual o pontífice teve dois acessos de tosse. “Infelizmente, um resfriado me obriga a não participar este ano.”, declarou para milhares de fiéis.

O retiro ocorre em Ariccia, ao sul de Roma, e está programado para começar ainda hoje.

O papa cancelou seus compromissos e audiências também na quinta (27) e na sexta (28). Antes, na quarta, em sua audiência geral, aberta ao público, ele parecia estar gripado e sua voz estava rouca. No mesmo dia, ele tossiu durante uma missa vespertina em uma igreja.

Na quinta, o Vaticano comunicou que o pontífice estava com ligeira indisposição e cancelou um evento na basílica de Roma. Na ocasião, Matteo Bruni, porta-voz do Vaticano, declarou que os demais compromissos seriam cumpridos regularmente.

Francisco não possui parte de um pulmão. Ele sofreu uma cirurgia quando tinha pouco mais de 20 anos, em Buenos Aires, depois de um episódio de tuberculose, de acordo com o biógrafo Austen Ivereigh.

Ele também sofre de dores ciáticas nas pernas, um problema que combate por meio de sessões regulares de fisioterapia e explica sua dificuldade ocasional ao subir escadas.

Mas sua saúde no geral é boa, e Francisco vem conseguindo resistir a um ritmo de quatro cansativas viagens internacionais a cada ano, desde sua eleição em 2013.

A Itália, que cerca o Vaticano, é o país mais afetado pelo novo coronavírus na Europa. Mais de 650 pessoas contraíram a doença, e ao menos 17 morreram.