Em um vídeo de quase cinco minutos divulgado nesta quarta (07/10), o presidente americano Donald Trump defendeu e promoveu o medicamento experimental da farmacêutica Regeneron como uma “cura” para a covid-19, dizendo que o coquetel de remédios que tomou como parte de seu tratamento contra a doença o fez se sentir melhor “quase imediatamente”.

Não há evidências de que o medicamento, um entre vários administrados a Trump, no entanto, seja o motivo de sua melhora.

O REGN-COV2, nome do medicamento da farmacêutica Regeneron, é uma droga experimental que utiliza um coquetel de anticorpos para prevenir e tratar a covid-19.

 

Foto: Reprodução/Twitter

 

Os resultados preliminares são promissores, mas estudos clínicos rigorosos, essenciais para considerar um medicamento seguro e eficaz para uma doença, ainda não foram concluídos.

No vídeo, o presidente americano também prometeu disponibilizar centenas de milhares de doses do medicamento a americanos com covid-19. “Se você estiver no hospital, e não estiver se sentindo bem, vamos trabalhar para que você receba [o medicamento], e receba de graça”, afirmou.

Trump disse também que tudo estava pronto para uma autorização de emergência para o uso do medicamento, embora os cientistas da FDA (Food and Drug Administration), órgão equivalente à Anvisa nos Estados Unidos, devam tomar decisões independentes sobre aprovações a medicamentos.

Horas depois, segundo o jornal The New York Times, a empresa Regeneron entrou com um pedido na FDA para uma aprovação de emergência para o tratamento.

A empresa disse que, a princípio, o acesso ao tratamento seria extremamente limitado, com apenas doses suficientes para 50 mil pacientes – número bastante inferior às “centenas de milhares” de doses prometidas por Trump – que busca a reeleição e também tem repetido querer aprovar uma vacina antes das eleições, embora isso seja improvável.

As ações da empresa Regeneron subiram, e questões surgiram sobre a relação entre Trump e o CEO bilionário da empresa.

Para ler a matéria completa no site da BBC Brasil, clique aqui.