Uma “dor profunda” — assim a modelo americana Chrissy Teigen descreveu a perda de seu terceiro filho com o músico John Legend. Chrissy, de 34 anos, estava no meio da gravidez e disse que o bebê Jack morreu dias depois que ela precisou ir para o hospital.

(Foto: EBC)

 

Nos EUA, cerca de 24 mil bebês são natimortos anualmente. E, no entanto, a maioria de nós teria dificuldade em encontrar as palavras certas para consolar uma família enlutada.

No Instagram, Chrissy Teigen disse: “Estamos chocados e com esse tipo de dor profunda de que você só ouve falar, o tipo de dor que nunca sentimos antes.”

E, infelizmente, é essa dor sobre a qual pode ser difícil falar. “Se uma pessoa nunca perdeu um filho, não pode entender pelo que você passou”, diz Louise.Seu filho, Ellis, morreu com quatro dias de idade após a Síndrome da Morte Súbita Infantil — quando um bebê aparentemente saudável morre inesperadamente.

“Eram os estranhos que não sabiam o que dizer”, explica ela. “Um cliente no trabalho disse: ‘ah, não se preocupe, você é jovem o suficiente, pode ter outro filho'”.

“O que sugere que a vida do seu bebê não importava.”

“Nossos amigos e familiares sempre estiveram presentes para nos prestarem apoio. Contanto que estivessem lá, realmente não importava sobre o que eles falavam.”

“Falávamos sobre outras coisas. É sobre trazer alguma normalidade de volta depois de uma experiência tão horrenda.”

Encontre as palavras

Às vezes, as pessoas não sabem o que dizer — então não dizem nada. E muitas vezes, diz Kate Marsh, uma parteira que trabalha para a organização Tommy’s, essa é a pior coisa que você pode fazer.

“Muitas pessoas não têm certeza do que dizer. Muitos ficam preocupados em dizer a coisa errada ou tornar as coisas piores.”

“O mais importante é definitivamente dizer algo”, explica ela.

“Idealmente, dizer algo como ‘Sinto muito que isso tenha acontecido’.”

Use o nome do bebê

Reconhecer a existência do bebê — e usar seu nome — também pode ser importante.

“Se você mencionar o nome do bebê e a mãe ou pai começar a chorar, pode ter certeza de que não fez nada de errado”, diz Marcia Jones, que trabalha na assistência a pais em luto na organização The Lullaby Trust.

“É exatamente o que eles estão vivenciando naquele momento. A dor ainda está viva”, explica ela.

Envie uma mensagem

Se você está se comunicando online em vez de pessoalmente, não adie isso, se possível.

O conselho é ser breve na mensagem virtual, reconhecendo pelo que aquela pessoa passou.

“Dependendo de quão bem você conhece essa pessoa, ofereça-se para estar ao lado dela offline”, diz Kate.

Se mostre disponível

Especialistas dizem: é importante ser consistente com suas ofertas de ajuda.

Fazer compras, limpar ou passear com o cachorro são maneiras simples de mostrar que você se importa.

Não tenha tanto medo de falar a coisa errada com quem está de luto, diz Marcia.

“Luto não é uma doença — é uma perda.”

Louise concorda, acrescentando que o que fez mais diferença para ela foi ver as pessoas reconhecendo seu bebê e sua vida.

“Sempre quis que as pessoas dissessem o nome dele”, explica ela

“Ellis viveu e era parte da nossa família. Ainda é.”

As informações são da BBC Brasil.