Após dois dias de queda, os Estados Unidos registraram 1 894 mil mortes por coronavírus em 24 horas, segundo contagem independente da Universidade Johns Hopkins, com sede em Baltimore, Maryland. De acordo com a instituição, o país soma até terça-feira (12) 82.340 vítimas da covid-19, com 1.369.314 casos de infectados.

EPA/SERGEY DOLZHENKO

 

Os casos ativos, de acordo com o levantamento da universidade, ainda estão em mais de 1 milhão, e 230.287 pessoas se curaram depois de terem sido contagiadas. Os Estados Unidos são o país com mais mortes pela doença, à frente de Reino Unido (32.769), Itália (30.911), França (26.994), Espanha (26.920) e Brasil (12 400).

A nova disparada nos números ocorre depois de o país registrar, na segunda-feira e no domingo, menos de mil mortes em 24 horas pela primeira vez desde o início de abril.

O Estado de Nova York continua sendo o epicentro da pandemia nos EUA, com 338.485 registros de infecções e 27.284 óbitos. Apenas na cidade de Nova York, 20.237 pessoas morreram de covid-19.

O Estado é seguido pelo vizinho New Jersey, com 140.917 casos confirmados e 9.531 mortes, e em seguida vem Illinois, com 83 021 e 3.601, e Massachusetts, com 79.332 e 5.141.

O número provisório de mortes ainda está abaixo das estimativas iniciais da Casa Branca, que projetavam, na melhor das hipóteses, entre 100 mil e 240 mil mortes, mas já ultrapassou em muito a estimativa mais otimista do presidente do país, Donald Trump, de entre 50 mil a 60 mil.

Desde então, porém, Trump aumentou sua previsão várias vezes até dizer, na estimativa mais recente, que o número final provavelmente ficará entre 100 mil e 110 mil.

O Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), da Universidade de Washington, cujos modelos preditivos da evolução da pandemia são frequentemente utilizados pela Casa Branca, prevê que até o início de agosto a crise terá deixado mais de 147 mil mortes nos EUA, número que foi atualizado nesta terça-feira.

O principal epidemiologista do governo, Anthony Fauci, reconheceu nesta terça em discurso ao Senado que o número de óbitos por covid-19 é provavelmente maior do que o reportado oficialmente e alertou que a saída precoce da quarentena poderia levar a mortes evitáveis.

Puxada por Brasil e Estados Unidos, a região das Américas superou nesta terça-feira a Europa em número de casos de covid-19, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Enquanto o continente americano já somava, no início do dia, 1,74 milhão de casos, o velho continente contabilizava 1,73 milhão