A morte de um médico que estava na linha de frente contra a covid-19 na China provocou uma reação contra a forma como as autoridades locais têm conduzido a resposta à pandemia no país.

ALAMY

 

Hu Weifeng morreu nesta terça-feira (02/06), depois de lutar por quatro meses contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Seu caso ganhou as manchetes na imprensa local em março, quando foram divulgadas imagens do médico internado e com a pele escurecida por problemas que vinha apresentando no fígado.

A causa exata da morte não foi divulgada – segundo o jornal Global Times, controlado pelo governo, sua situação era grave e ele vinha apresentando quadro de “instabilidade emocional”.

A notícia causou uma onda de indignação nas redes sociais chinesas.

Quem era Hu Weifeng?

O urologista Hu Weifeng tratava pacientes no Hospital Central de Wuhan – onde a covid-19 foi identificada pela primeira vez.

Ele testou positivo para o novo coronavírus em janeiro, ainda no início do surto na China, e foi transferido para diferentes hospitais para receber tratamento nos dois meses seguintes.

Sua saúde chegou a melhorar em meados de março. No fim de abril e em maio, entretanto, ele sofreu hemorragias cerebrais.

Hu e o colega Yi Fan, cardiologista, ficaram nacionalmente conhecidos em abril, depois de a imprensa oficial chinesa publicar sobre sua “dura batalha contra o vírus”.

Usuários do microblog Sina Weibo, semelhante ao Twitter, comentaram na época sobre como a coloração do rosto de ambos os médicos havia mudado e estava bastante escura – o que a imprensa oficial atribuiu a “possível anormalidade nas funções hepáticas”.

O quadro grave dos dois sensibilizou a opinião pública chinesa. A Liga da Juventude Comunista passou a chamá-los de “anjos que lutaram contra a morte”.

Nas redes sociais, os chineses comentaram sobre como a pele dos profissionais da saúde tinha se tornado uma espécie de “cicatriz” com a qual ambos teriam de conviver depois de lutar na linha de frente contra a pandemia.

Segundo o jornal China Daily, Yi recebeu alta no dia 6 de maio – mas Hu não conseguiu se recuperar.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.