Milhares de médicos, professores e outros em grupos de alto risco se inscreveram para a vacinação contra a covid-19 em Moscou, capital da Rússia, a partir deste sábado, um precursor de um amplo esforço de imunização em todo o país. A vacinação ocorre três dias depois que o presidente Vladimir Putin ordenou o lançamento de uma campanha de imunização contra a covid-19 em “larga escala”, embora a vacina projetada pela Rússia ainda não tenha concluído estudos avançados necessários para garantir sua eficácia e segurança de acordo com protocolos científicos estabelecidos.

O líder russo disse quarta-feira que mais de 2 milhões de doses da Sputnik V estarão disponíveis em breve, permitindo às autoridades oferecerem vacinas a profissionais da área médica e professores em todo o país a partir do fim da semana que vem.

 

SOROCABA, SP – 22.07.2020: RÚSSIA FAZ VACINA CONTRA COVID 19 – Foto meramente ilustrativa da vacina contra a COVID-19, feita na Rússia. A Rússia anunciou no início dessa semana o sucesso na fase de testes da sua vacina contra o novo coronavírus, feita em parceria com o Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya. No dia 4 de agosto os pacientes que foram vacinados serão novamente examinados para confirmação da segurança da vacina. (Foto: Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1940726

 

Moscou, que atualmente responde por cerca de um quarto das novas infecções diárias, abriu 70 unidades de vacinação neste sábado. Médicos, professores e funcionários municipais foram convidados a agendar um horário para receber uma dose, e o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, disse que cerca de 5 mil haviam se inscrito poucas horas depois que o sistema começou a operar na sexta-feira.

A vacina gratuita é oferecida a pessoas de 18 a 60 anos que não sofrem de doenças crônicas e não estão grávidas ou amamentando. A Sputnik V foi desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, com sede em Moscou. Um estudo avançado entre 40 mil voluntários foi anunciado duas semanas após a vacina ter recebido aprovação do governo e ainda está em andamento.

No mês passado, os desenvolvedores da vacina disseram que a análise provisória dos dados do ensaio mostrou que era 91,4% eficaz. A conclusão se baseou em 39 infecções entre 18.794 participantes do estudo que receberam ambas as doses da vacina ou um placebo, que é um número muito menor de infecções do que as farmacêuticas ocidentais examinaram ao avaliar a eficácia de suas vacinas. Duas outras vacinas projetadas pela Rússia também estão sendo testadas. Fonte: Associated Press