STEFAN ROUSSEAU/PA WIRE

O massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), na quarta-feira, que deixou dez mortos e 11 feridos, trouxe à tona novamente o debate sobre o controle de armas de fogo – como o revólver calibre 38 usado pelos autores do ataque.

O tema já tinha voltado aos noticiários em janeiro, quando o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que facilita a posse de armas, uma de suas principais promessas de campanha.

Após o massacre de quarta-feira, foram retomadas críticas à facilitação da posse de armas e renovados pedidos por novas leis aumentando o controle de armas. Mas houve também argumentos em contrário, defendendo o direito de defesa dos cidadãos.

O senador Major Olímpio, do PSL, partido de Bolsonaro, viu no massacre uma evidência de que “a política desarmamentista fracassou” e afirmou que “se tivesse um cidadão armado dentro da escola, um professor, um servente, um policial aposentado lá, ele poderia ter minimizado o efeito da tragédia”.

Às declarações do senador ecoam argumentos usados por um número crescente de políticos nos Estados Unidos que têm proposto leis que, em vez de limitar a venda, visam aumentar o número de armas de fogo nas escolas e em outros edifícios públicos, além de armar professores e funcionários de colégios como meio de defesa contra eventuais ataques.

Nos EUA, foram registrados mais de 200 ataques em locais públicos com uso de arma de fogo desde 2013. Mas se os vários massacres ocorridos em escolas e universidades ao longo das últimas décadas não levaram a restrições no controle de armas de fogo no país, o mesmo não pode ser dito da história recente do Reino Unido.

Em 1996, um massacre de crianças em uma escola na Escócia levou a uma mudança radical na lei e, como consequência, na acentuada redução do número de ataques do tipo e de mortes por armas de fogo na Grã-Bretanha.

No dia 13 de março daquele ano, o ex-líder escoteiro Thomas Watt Hamilton, de 43 anos, invadiu um ginásio da Escola Primária Dunblane, na cidade escocesa de mesmo nome, e matou 16 crianças e um professor, antes de cometer suicídio.

Hamilton estava armado com duas pistolas e dois revólveres, todos adquiridos legalmente – e 743 cartuchos de munição. Acredita-se que ele queria se vingar da comunidade por ter tido suspensa sua licença de chefe de escoteiros a ser proibido de organizar clubes para adolescentes – após várias acusações de assédio e comportamento duvidoso com jovens meninos.

As crianças mortas tinham entre 5 e 6 anos de idade. Uma professora de 45 anos também foi morta ao tentar proteger seus alunos. Outras 11 crianças e três adultos ficaram feridos.

O caso gerou comoção no país e levou à criação de várias associações de defesa do controle de armamentos.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.