O golpe devastador da pandemia na indústria turística colocou a start-up, considerada uma das empresas de tecnologia mais valiosas dos Estados Unidos, diante do maior desafio da sua história.

“Demoramos 12 anos para construir o negócio do Airbnb e perdemos quase tudo em questão de quatro a seis semanas”, revelou o diretor e fundador da empresa, Brian Chesky, esta semana.

Em uma entrevista para a rede americana CNBC, Chesky detalhou os problemas do Airbnb e compartilhou seus prognósticos sobre o futuro da indústria, que será “muito diferente” do que a que conhecemos.

Diretor e fundador da empresa, Brian Chesky – Instagram

Viagens paralisadas

A crise da covid-19 afetou duramente o Airbnb no começo de março, quando o turismo ficou paralisado em meio às quarentenas ao redor do mundo.

Foi aqui que, “como não era de se estranhar”, o Airbnb perdeu quase tudo em poucas semanas, explicou Chesky.

O coronavírus fez com que a start-up tivesse que reduzir drasticamente seus custos, o que levou à demissão de 1,9 mil pessoas — ou 25% de seus empregados — e eliminação de gastos com marketing, entre outros.

“Foi uma experiência horrível”, disse.

“Não sabemos quanto tempo essa tormenta vai nos atingir, por isso, então esperamos o melhor, mas nos preparamos para o pior.”

Diretor e fundador da empresa, Brian Chesky – Instagram

O corte de pessoal — que a imprensa americana classificou como um dos maiores feitos no Vale do Silício (apelido dado à região perto de San Francisco onde ficam várias das miores empresas de tecnologia do mundo) durante a covid-19 — permitirá que a empresa possa aguentar uma nova fase da crise, diz o executivo.

“Se tivermos outra quarentena ou várias quarentenas, se as comunidades continuarem obrigadas a fechar e o turismo parar, estaremos bem com as mudanças que fizemos.”

Este ano, o Airbnb estima que terá menos da metade das receitas de 2019, segundo mensagem enviada pelo executivo a seus empregados, na época do anúncio dos cortes.

O futuro do turismo

Ainda que a empresa não tenha se recuperado, nos últimos meses, ela tem “produzido algo significativo”, segundo o diretor.

No final de maio e começo de junho, o Airbnb registrou o mesmo volume de reservas que o ano anterior nos Estados Unidos, mesmo sem nenhum tipo de investimento em publicidade.

Isso, na opinião de Chesky, reflete o fato de que as pessoas querem se relacionar com os demais — que querem sair de casa.

“Acho que o turismo vai voltar, mas tomará mais tempo do que pensávamos e será diferente.”

O diretor executivo do Airbnb tem certeza: o turismo tal como o conhecíamos é coisa do passado.

“Ninguém sabe como será, mas acho que veremos uma redistribuição dos lugares para onde se viaja.”

Leia a reportagem completa da BBC AQUI