O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, revogou o estado de emergência em grande parte do país nesta quinta-feira (14), mas disse que ele continuará em vigor em Tóquio até o novo coronavírus (covid-19) estar contido.

Abe suspendeu a emergência em 39 das 47 regiões japonesas, mas a manteve na capital e em Osaka, a segunda maior área urbana do país, enquanto tenta amenizar o impacto econômico e ao mesmo tempo deter o vírus.

O premiê disse que começará a trabalhar em um orçamento extra, parte de um estímulo econômico, e que o governo adotará mais medidas para diminuir a pressão sobre os financiamentos corporativos, se necessário.

“Enquanto controlamos a disseminação do vírus tanto quanto possível com a premissa de que o vírus está ao nosso redor, restauraremos o trabalho normal e a vida cotidiana”, disse Abe em uma coletiva de imprensa.

A terceira maior economia do mundo declarou um estado de emergência de âmbito nacional um mês atrás, pedindo aos cidadãos que reduzam os contatos pessoais em 80% para frear a proliferação do vírus e reduzir a pressão nos serviços médicos.

 

 

Economistas disseram que a normalização será gradual enquanto o governo atenta para a possibilidade de uma segunda onda de infecções, como visto em países como Coreia do Sul e China.

A emergência dá aos governadores mais autoridade para instruir as pessoas a ficarem em casa e para fechar escolas e negócios, mas não existem penalidades por descumprimento.

Alguns negócios não essenciais, mesmo em áreas atingidas duramente pelo coronavírus, começaram a reabrir até mesmo antes do anúncio desta quinta-feira (14), e a extensão das restrições varia em todo o país.

O governador de Osaka anunciou critérios para suspender gradualmente algumas restrições ao comércio, incluindo restaurantes e bares.

Os 39 municípios nos quais a emergência foi revogada respondem por 54% da população do Japão, mas a área da grande Tóquio representa um terço da economia.

“Tóquio é o coração da economia japonesa. É como dirigir um carro com três rodas”, disse Jesper Koll, executivo-chefe da administradora de ativos WisdomTree Japan.

O governo acrescentará quatro economistas à sua comissão de aconselhamento para o combate da epidemia, e uma revisão voltará a ser feita em cerca de uma semana.