SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Virginia Roberts, a “escrava sexual” do bilionário Jeffrey Epstein, deu uma declaração sobre a relação sexual que teve com o príncipe Andrew, amigo de Epstein. Segundo a mulher, o sexo com ele foi “rápido e repugnante”.

“Não durou muito tempo. A coisa toda, o procedimento, foi nojento. Ele se levantou, disse obrigado e saiu. Fiquei sentada na cama, horrorizada, envergonhada e suja”, diz Roberts em um documentário de TV da BBC Panorama.

Virginia Roberts, – Foto Reprodução

A jovem afirma que recebeu ordens para fazer sexo com o duque de York aos 17 anos de idade, em 2001, enquanto trabalhava para Esptein, que se matou em agosto em uma prisão nos EUA enquanto aguardava julgamento por acusações de tráfico sexual.

Na entrevista à BBC Panorama, ela diz que foi levada em um avião particular até a casa da ex-namorada de Epstein, Ghislaine Maxwell, onde lhe disseram para “fazer por ele [Andrew] o que você faz por Jeffrey”.

Príncipe Andrew e Virginia

O príncipe Andrew nega as acusações, e diz não se lembrar de conhecer Roberts. “Eu simplesmente não esperava isso da realeza. Não esperava de alguém que as pessoas admiram”, afirmou a jovem.

Ela diz que lembra de ter-lhe ocorrido o pensamento: “Acabei de ser abusada por um membro da Família Real”. “Eu não estava acorrentado a uma pia da cozinha, mas essas pessoas poderosas eram minhas correntes”, afirma.