Foto: Arquivo/ Bloomberg

 

Uma vulnerabilidade nos procedimentos de retorno de celulares cobertos pela garantia custou quase US$ 1 milhão para a Apple.

Dois estudantes chineses que faziam intercâmbio nos EUA foram acusados de participar de um esquema de fraude contra a gigante da tecnologia através de solicitações em massa de troca de celulares pela garantia.

Segundo a polícia de Oregon, Yangyang Zhou e Quan Jiang, enviaram vários iPhones falsos para a empresa e receberam dispositivos originais em troca – os dois fizeram isso por meses.

De todos os aparelhos que eles enviaram, quase 1,5 mil foram substituídos sem que a empresa detectasse a fraude. A perdas estimadas para a Apple alcançam US$ 895 mil.

A investigação sobre o esquema começou em 2017, mas o caso foi à Justiça em abril deste ano, conforme reportado pela primeira vez pelo jornal americano The Oregonian.

Ambos os jovens estavam nos EUA com vistos de estudante quando a fraude foi realizada.

Como era o esquema?

Um sócio dos jovens em Hong Kong enviava pacotes com 20 ou 30 celulares com as características físicas dos iPhones da Apple, segundo o processo judicial.

Os estudantes então solicitavam à Apple, pessoalmente ou através de nomes e endereços nos EUA, e substituição dos telefones sob os termos de garantia da Apple.

Em quase todos os casos o problema reportado era de que os telefones não ligaram.

A empresa então determinava se o celular era elegível para troca, algo que a Apple normalmente faz nesse tipo de caso.

Quando os dois recebiam os telefones originais, os enviaram para a China para serem revendidos e ficavam com uma parte dos lucros, segundo a denúncia.

Para ler a matéria completa na BBC Brasil clique aqui.