O coordenador da campanha de Donald Trump afirmou que irá pedir a recontagem de votos em Wisconsin “imediatamente” mesmo antes da contagem terminar no estado.
“Há suspeitas de irregularidades em diversos condados de Wisconsin, o que levanta sérias dúvidas sobre a validade dos resultados”, afirmou Bill Stepien, sem acrescentar detalhes.

(Foto: Divulgação)

 

A comissão eleitoral do estado, em uma publicação no Twitter, afirmou que as autoridades foram “completamente transparentes” sobre a forma com que os votos estão sendo contabilizados.
Segundo o órgão, os números que circulam na mídia não são oficiais e restam apenas duas cidades, que representam um total de cerca de 600 votos, ainda não reportaram seus resultados aos condados.

A comissão também afirmou que “não há mais cédulas do que eleitores registrados”, desfazendo rumores sobre uma possível fraude.
Segundo as projeções do New York Times, o candidato democrata Joe Biden leva vantagem no estado por menos de 1%, com 94% da apuração concluída.

Com 16 cadeiras no Colégio Eleitoral, o estado faz parte do Cinturão da Ferrugem, região que engloba também Michigan e Pensilvânia e que, ao que tudo indica, deve decidir quem será o novo presidente dos Estados Unidos.

Se seguir a tendência do momento, vencendo em Wisconsin e também em Michigan e Nevada, o candidato democrata Joe Biden deve ser eleito para a Casa Branca.
Wisconsin votou em Trump contra Hillary, em 2016, após ter escolhido Barack Obama duas vezes. É um dos locais onde a eleição está em aberto e que pode ser decisivo para a corrida de 2020.