A prefeitura de Chicago removeu temporariamente duas estátuas de Cristóvão Colombo nesta sexta-feira (24) e anunciou que vai avaliar a adequação dos demais monumentos espalhados pela cidade.

Na semana passada, manifestantes antirrascistas tentaram derrubar uma das homenagens ao explorador genovês, no parque Grant, mas foram reprimidos pela polícia.

A outra estátua removida ficava no bairro de Arrigo, em uma zona da cidade conhecida como “Pequena Itália”.

“Isso é um esforço para proteger a segurança pública e preservar um espaço seguro para um diálogo inclusivo e democrático sobre os símbolos de nossa cidade”, declarou o gabinete da prefeita, Lori Lightfoot.

Foto: Reprodução/Instagrames

Desde 25 de maio, quando começaram os protestos pela morte de George Floyd, asfixiado por um policial branco em Minneapolis, manifestantes em todo o país derrubaram dezenas de imagens de personagens ligados ao Exército Confederado, que defendeu a manutenção da escravidão na Guerra Civil Americana, ao colonialismo, incluindo Colombo, e ao racismo.

Nos últimos meses, estátuas do explorador têm sido derrubadas, queimadas, e decepadas em diversas cidades americanas.

Mas Colombo continua sendo um símbolo poderoso para alguns grupos ítalo-americanos que se opõem à desvalorização de sua figura.

“Nós, como comunidade, nos sentimos traídos”, disse Pasquale Gianni, do Comitê Cívico Conjunto de Italianos Americanos, a uma rede de televisão de Chicago, em reação às remoções da estátuas.

“Nós sentimos que parte de nossa herança foi arrancada de nós. Essas estátuas representam muito mais do que meros objetos, mas o sangue, suor e lágrimas de todas as contribuições dos ítalo-americanos para esta grande cidade”, completou.